Violência

Os relatos de violência contados por quem foi ao Urban Beach

30.681

Há muitos relatos de violência na discoteca Urban Beach. O TripAdvisor e o Google Review estão repletos deles. Um britânico denunciou um caso num texto com o título "Cães raivosos em Lisboa".

Kyle, um dos amigos de Connor McCreesh, que escreveu no site Medium o texto "Cães Raivosos em Lisboa", sobre uma cena de violência que terá acontecido este verão no Urban Beach

“Esta publicação refere-se a um dos atos mais impressionantes de violência gratuita e sem sentido a que já assisti. Não tenho a certeza se alguma vez me senti tão impotente. As cicatrizes mentais do incidente ainda estão frescas, semanas após o que aconteceu”. É assim que começa a descrição que o britânico Connor McCreesh, um utilizador da plataforma Medium, fez de uma noite deste verão em que diz ter sido violentamente agredido à porta da discoteca K Urban Beach, em Lisboa. No texto, a que deu o título “Cães raivosos em Lisboa”, o autor descreve como ele e um grupo de amigos terão sido atacados pelos seguranças da discoteca lisboeta. E sugere que esse é um acontecimento que se repete “quase todas as semanas”. Ainda na noite de terça para quarta-feira, um grupo de jovens foi agredido por funcionários da mesma discoteca. O caso, desvendado esta quinta-feira, veio à tona com a publicação de um vídeo que mostra a cena de violência.

Numa sexta-feira à noite, Connor encontrou-se com nove amigos na Rua Cor-de-Rosa às duas da manhã para entrar na discoteca K Urban Beach, uma das mais movimentadas da capital portuguesa. Ao fim de 20 minutos de caminhada, o grupo chegou à discoteca apenas para descobrir que não poderiam entrar no espaço porque estava a decorrer “uma festa privada”. Connor não acreditou, mas decidiu que “não valia a pena dizer mais nada”: “Lidei com seguranças em demonstrações de poder demasiadas vezes, sei que há muito pouco a ser feito e não vale a pena motivar qualquer provocação”. Com isto em mente, Connor disse aos colegas para irem para outra discoteca ali perto e afastou-se da entrada. Mas quando olhou para trás, viu os amigos “parados por um segundo antes de começar a ver pessoas a serem empurradas”.

De acordo com o relato de Connor, um dos seus amigos levou um soco de um dos cinco seguranças no momento em que se virou para trás para ver o que estava a acontecer. O murro terá sido tão violento que o deitou ao chão. Enquanto caminhava novamente para junto dos amigos, mais dois dos seus companheiros terão sido agredidos e deitados ao chão. “Mas o pior ainda está para vir”, descreveu Connor: “Kib leva um grande pontapé no rosto, parece que foi atingido por uma bomba. Vou ter com ele e, quando ainda estava a perceber o que estava a passar, [Kib] leva outro soco no queixo”. Entretanto, conta Connor, mais cinco seguranças juntam-se aos colegas: “Não são dez seguranças, são dez cães raivosos sóbrios, coordenados, claramente treinados para lutar com aqueles pontapés na cabeça”.

Kyle, um dos amigos de Connor atacado na discoteca (Foto: Instagram)

Com todos os amigos reunidos, Connor e os colegas protegem Kib, o mais magoado de todos, enquanto os seguranças gritam, segundo o seu relato: “Tirem-no já daqui! Não podemos deixar ninguém entrar, tirem-no daqui já!”. Connor não queria ir embora: “Estou no chão a dar o meu melhor para permanecer calmo enquanto os meus amigos gritam de medo e raiva. Há um grupo de selvagens a cercar-me e a gritar para o meu amigo quase inconsciente, pontapeando-nos e a atirar garrafas de água fria para a cara dele”. Connor e os amigos decidiram tirar o amigo ferido dali e levá-lo para um muro próximo à discoteca.

Enquanto tentavam reanimar Kib, um dos dez seguranças da discoteca K Urban Beach aproxima-se de Adi, uma amiga que havia filmado todo o ataque, afirma o britânico. “Ele agarrou no telemóvel dela, bate-lhe e atira o telemóvel para a água antes de regressar para a discoteca”, escreve Connor. A rapariga começa a gritar com o segurança que lhe havia atirado o telemóvel. Na tentativa de a proteger, Connor pôs-se à frente do segurança e terá levado quatro muros, apesar dos pedidos para parar e de ter prometido ir-se embora. Enquanto Connor é agredido, três outros seguranças aproximaram-se de Kib — que ainda estava quase inconsciente no chão — e, segundo a descrição do britânico, começaram “a esmurrá-lo no rosto e decidiram apertar-lhe o pescoço” até desmaiar. Connor começou a gritar e os homens afastaram-se definitivamente para a discoteca.

Avisos de violência no TripAdvisor e nas avaliações da Google

No seu texto, Connor explica que chamou a polícia e uma ambulância e levou os amigos feridos para o hospital. As autoridades terão dito ao jovem que aquelas situações acontecem regularmente e que não havia nada que pudessem fazer: “O processo em tribunal demora entre seis e 12 meses e raramente os turistas ficam esse tempo todo” em Portugal. E prossegue: “Estes monstros conseguem fazer isto uma ou duas vezes por semana. A polícia, os motoristas do Uber, as avaliações online refletem tudo isto. E nada é feito”.

Basta uma visita à página da discoteca K Urban Beach no TripAdvisor para encontrar dezenas de avaliações sobre agressões alegadamentte oorridas à porta da discoteca. A 19 de setembro deste ano, um utilizador escreveu que “os seguranças em esteroides tentam arranjar porrada sempre que puderem”. A 25 de agosto de 2017, uma segunda avaliação acusava os funcionários da discoteca de serem racistas: uma mulher conta que, no seu grupo de amigos, os brancos puderam entrar no espaço de diversão noturna, mas que aos negros e asiáticos foi pedida uma entrada de entre 250 e 500 euros. Um português escreveu ainda que ir ao K Urban Beach é “estragar a experiência lisboeta”: “São demasiado racistas, mal educados e estragam qualquer noite divertida”.

É assim ao longo das quase 300 avaliações, com textos com títulos como “Permaneçam afastados deste sítio”, “Não vão” e “Evitem, Evitem, Evitem”. Em abril de 2017, um internauta escreveu no TripAdvisor que os amigos foram violentamente agredidos e deixados inconscientes porque não aceitaram pagar 50 euros de entrada e decidiram afastar-se da porta da discoteca. Cerca de 50% dos utilizadores do TripAdvisor avaliam o K Urban Beach com a classificação “Terrível”. A maior parte queixa-se da violência dos funcionários.

O mesmo acontece nas avaliações feitas no Google Review: são os próprios portugueses a pedirem aos turistas para não se aproximarem do K Urban Beach porque “os seguranças gostam de se juntar como num gangue para atacar gente inocente”: “O staff da porta e da segurança é adepto de violência gratuita e não tem qualquer problema em juntar-se para dar uns murros a um grupo de amigos (mulheres não são excepção), por situações mínimas, como alguém ter perdido o cartão de consumo”. Outro internauta escreveu: “Pessoas são agredidas pelos seguranças constantemente. Grande descriminação quanto à raça, cor de pele e maneira de se apresentar (se não aprovarem a pessoa, não entra)”. Outra utilizadora do Google publicou: “Equipa de segurança que espanca clientes como castigo habitual”.

O Observador está a tentar contactar os responsáveis pelo estabelecimento mas, até ao momento, não obteve resposta.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)