Presidente da República

2017 foi “ano de sucesso” em que vieram ao de cima fragilidades

307

Depois de na terça-feira Marcelo Rebelo de Sousa ter dito que 2017 foi "um ano contraditório", no balanço desta quarta-feira, o Presidente da República afirmou que foi um "ano de sucesso".

TIAGO PETINGA/LUSA

O Presidente da República considerou esta quarta-feira que 2017 foi um “ano de sucesso”, durante o qual Portugal reforçou a sua presença no mundo, mas em que vieram ao de cima fragilidades estruturais do país.

Marcelo Rebelo de Sousa falava no Palácio da Cidadela, em Cascais, durante o encontro anual do Conselho da Diáspora Portuguesa, na presença do antigo primeiro-ministro Durão Barroso, que integra os órgãos sociais desta associação, e dos ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

O chefe de Estado, que na terça-feira fez um balanço de 2017, descrevendo-o como “um ano contraditório”, retomou hoje essa análise, declarando: “Ficou claro que, num ano de sucesso, havia fragilidades estruturais que vieram ao de cima, umas mais antigas, outras mais recentes, em matérias como a florestação, o ordenamento florestal, o combate em termos de segurança”.

O Presidente da República começou por considerar que “Portugal teve um ano que reforçou a sua presença no mundo”, dizendo concordar com o primeiro-ministro, António Costa, nesta matéria.

E esse reforço é fruto de um percurso que vai dando resultados positivos, que estamos a examinar, que estamos a analisar e que estamos, sobretudo, a tentar maximizar para o futuro. É uma exigência”, prosseguiu.

Marcelo Rebelo de Sousa alertou que este “é um percurso que obriga a um trabalho quotidiano, nada está definitivamente ganho”.

“Pelo meio, temos problemas”, salientou, referindo-se às “fragilidades estruturais” que no seu entender ficaram evidentes em 2017, “realidades que assumem uma expressão mais dolorosa precisamente pela dificuldade de enfrentá-las”.

Segundo o Presidente da República, Portugal tem, além disso, “ainda alguma dificuldade em formular consensos de regime explícitos”, apesar de ter “um sistema político que, comparado com os europeus, é dos mais estáveis, atendendo aos populismos, às xenofobias, às crises partidárias”.

Neste ponto, o chefe de Estado observou: “Isso costuma dizer o senhor primeiro-ministro, de vez em quando, que resulta do facto de o Presidente da República ser crente e rezar muito e ele ser otimista”.

Perante alguns risos na assistência, acrescentou: “Mas, não está provado que a conjugação, só por si, chegue. Por muita oração que haja e por muito otimismo que exista, é preciso mais”, alertando que “Temos, obviamente, de estar atentos a fenómenos que podem chegar a Portugal”.

O Conselho da Diáspora Portuguesa é uma associação sem fins lucrativos, constituída em dezembro de 2012, com o alto patrocínio do anterior Presidente da República, Cavaco Silva, destinada a institucionalizar uma rede de contactos entre portugueses e luso-descendentes residentes no estrangeiro, com posições de destaque.

Tem como presidente honorário o Presidente da República e, atualmente, a sua direção é presidida pelo empresário Filipe de Botton e Durão Barroso é presidente da Mesa do Conselho da Diáspora. No encontro deste dia, além de vários membros do Governo, esteve também presente, como convidada, a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site