IPSS

Raríssimas. Vieira da Silva explica foto polémica: estava a dar um autógrafo

1.346

Ministro responde a perguntas do PSD e CDS sobre a Raríssimas e diz que assinatura no Ministério, ao lado de Paula Brito e Costa, foi "ato de boa sorte" para uma fundação sueca.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O que é que Vieira da Silva estava a assinar, em outubro, quando recebeu no seu gabinete a presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa e o presidente da fundação Ågrenska, Anders Olauson? “Um autógrafo como ato de boa sorte para a fundação sueca, naquela que é uma tradição desta Associação para com algumas personalidades que a visitam”. Esta é a explicação adiantada aos deputados do CDS pelo gabinete do ministro, em resposta a mais questões colocadas pelo Parlamento sobre o caso em que está envolvida a associação que trata de doenças mentais e raras.

Nesse dia, 9 de outubro de 2017, Paula Brito e Costa estava a assinar um protocolo com a fundação sueca (também dedicada a doenças raras) apresentando a Raríssimas como uma fundação. O protocolo referia-se mesmo à instituição como tendo este reconhecimento — o que não acontecia na realidade, apesar de ser um objetivo da sua fundadora (entretanto demitida e constituída arguida por suspeitas de uso indevido de fundos em proveitol próprio).

Aliás, Paula Brito e Costa já tinha tentado ter esse estatuto de Fundação, mas este tinha-lhe sido recusado, com a direcção-geral de Segurança Social a argumentar com dois pontos da lei-quadro das fundações: o universo restrito de beneficiários da associação e a “insuficiência dos meios afetados para a prossecução do fim”, isto “quando não existam fundadas expectativas de suprimento da insuficiência”. A justificação consta da resposta do Ministério a um requerimento do PSD, que pediu o protocolo assinado entre a Ågrenska e a Raríssimas e ainda a cópia do parecer da Segurança Social sobre o pedido do estatuto de fundação.

Vieira da Silva foi confrontado no Parlamento com esta contradição — entre o que estava no protocolo e a realidade da Raríssimas — mas respondeu que isto não lhe “levantou nenhum problema”. Sobre o momento que está documentado numa fotografia divulgada pelo CDS na audição de Vieira da Silva no Parlamento, o ministro disse sempre que não se lembrava e negou mesmo qualquer “assinatura do protocolo. Essa informação é falsa, está mal informado”, disse ao deputado do CDS António Carlos Monteiro.

De facto, no protocolo que foi assinado, e que agora foi enviado pelo ministro aos deputados, não consta qualquer assinatura ou rubrica do ministro. Constam apenas as assinaturas de Anders Olauson, em nome da Ågrenska, e de Paulo Brito e Costa, “em nome da Fundação Raríssimas e da Casa dos Marcos”.

Vieira da Silva foi também questionado pelo CDS sobre se quando o protocolo foi assinado tinha conhecimento do parecer negativo à “fundação Raríssimas”, mas respondeu com o processo de reconhecimento de uma fundação, tentando mostrar que não passou pelas suas mãos. “O reconhecimento (quando aplicável) é efetuado por despacho da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, sendo que o processo de reconhecimento de Fundação não passa pelos gabinetes dos membros do Governo responsáveis pela área do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social“.

O Ministério volta a repetir que não teve conhecimento de dados sobre gestão danosa da instituição até à reportagem da TVI sobre a instituição que está a ser alvo de uma inspeção por parte da Inspecção-geral do Ministério do Trabalho e da Segurança Social, tendo Paula Brito e Costa já sido afastada da sua presidência. O Ministério Público também está a investigar a associação depois de uma denúncia anónima.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Liberdade de Expressão

Ofendam-me, se faz favor

Diogo Prates

O P. Gonçalo Portocarrero de Almada parece ignorar que cada vez que expressamos uma opinião, cada vez escrevemos um artigo num jornal ofendemos alguém. Como sucede com ele mesmo. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site