Parlamento Europeu

Listas transnacionais ao Parlamento Europeu são “ideia a discutir”, afirmou Augusto Santos Silva

Ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou que a declaração subscrita pelo Governo português que admite listas transnacionais ao Parlamento Europeu não passa de uma "ideia a discutir".

Augusto Santos Silva: "Governo não comprometeu nenhuma posição em nome de Portugal"

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou nesta quinta-feira que a declaração subscrita pelo Governo português que admite listas transnacionais ao Parlamento Europeu não passa de uma “ideia a discutir” e que Portugal não está obrigado a adotá-la. Augusto Santos Silva, que falava à margem de um debate alusivo ao percurso de Mário Soares, na sede nacional do Partido Socialista, em Lisboa, desvalorizou assim as críticas de vários partidos, incluindo de figuras do PS, à posição subscrita pelo primeiro-ministro, António Costa, ao assinar a Declaração de Roma no passado fim de semana.

“O Governo português assinou uma declaração, a Declaração de Roma. O compromisso a que chegaram os chefes de Estado e de Governo dos sete países da Europa Mediterrânica – e a declaração é clara [quanto a esse ponto] – diz que essa ideia das listas transnacionais poderia ser uma boa maneira de nós procurarmos chegar a um objetivo que nos une, que é o de reforçar a democraticidade da Europa”, disse o MNE português. Ou seja, acrescentou Santos Silva, “Portugal entende que essa é uma ideia, e como todas as ideias deve ser discutida”.

Questionado sobre se o governo deveria ter promovido a discussão com outras forças políticas no parlamento – nomeadamente com os parceiros que apoiam o executivo, o Bloco de Esquerda e o PCP – antes de assinar, Santos Silva respondeu negativamente. “Não, exatamente porque o Governo não comprometeu nenhuma posição em nome de Portugal. Dizer-se que ‘a ideia x é uma ideia que poderia ser útil discutir’ não compromete e não significa uma posição formalizada”, salientou.

O ministro também rejeitou que o país possa perder face em relação aos outros subscritores da declaração de Roma caso venha a rejeitar no futuro as listas transnacionais. “Portugal ainda não fez nenhuma opção, a não ser o PM subscrever uma declaração – que como todas as declarações representa um compromisso entre os subscritores – que diz uma coisa tão simples como isto: ‘Eis uma ideia, que poderia ser útil'”, sublinhou Santos Silva.

O chefe da diplomacia portuguesa também rejeita que esta decisão do Governo possa causar qualquer fissura no relacionamento com os partidos mais à esquerda que o sustentam no Parlamento, o Bloco de Esquerda e o PCP.

“Não, não me parece. Nós temos identidades próprias e é sobre essas identidades próprias que construímos a atual solução parlamentar. Dito isto, devo dizer que no próprio Partido Socialista português são muitas as vozes que se opõem às listas transnacionais e portanto é um debate inteiramente livre, que vale a pena fazer”, contrapôs. Aliás, Santos Silva, disse que não compreende é que existam partidos “que não queiram que esse debate se faça e que se faça com toda a liberdade”.

Especificamente sobre o PSD e o CDS, acusou-os de serem incoerentes, porque em 2015 defenderam essa posição através dos seus eurodeputados. “Não consigo perceber, especificamente em relação ao PSD e ao CDS, como podem ser hoje contra as listas transnacionais, quando os seus eurodeputados, em 2015, votaram a favor de uma resolução que expressamente recomenda a formação das listas transnacionais”, disse. “Portanto, não queiramos fazer de ideias que merecem ser discutidas, casos políticos que, na minha opinião, são escusados”, concluiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site