Eutanásia

A vida vale a pena

Autor
  • Rita Fontoura
128

Há um provérbio chinês que diz: quando o sábio aponta a lua, o tolo só vê o dedo. Na caminhada para a vida somos sábios. Pedimos aos nossos governantes para não serem os tolos.

No sábado passado fui à Caminhada pela Vida. Um programa saudável: fisicamente porque se tratou de uma caminhada e psicologicamente porque usei o meu tempo ao serviço de um valor maior – a Vida.

A sociedade actual cada vez desafia mais a nossa inteligência. Se eu dissesse á minha avó que ia a uma caminhada para defender a vida, ela suporia que estaria a falar de exercício físico. Se lhe explicasse que defender a vida era defender o direito à vida, ela certamente pensaria que era uma manifestação contra ladrões e assassinos, isto é, aqueles que nos atacam e a quem a minha avó chamava os malandrões.

Hoje defender a vida quer dizer outras coisas:

Primeiro, que ainda há quem olhe para vida como um valor, mas também que hoje muitos pensam que a vida se pode descartar.

Segundo, que as nossas vidas são tão complicadas, stressantes e absorventes que se tornam por vezes insuportáveis de encarar, mas também que ainda há quem dê valor maior à sua vida e à dos outros.

Terceiro, que cresce a tendência do raciocínio destrutivo: a sociedade tem de permitir tudo o que pode acabar com o sofrimento quando está em causa a minha suposta felicidade, em vez de deixar que nasça o desejo e a criatividade de quem encara as dificuldades não como obstáculos, mas como oportunidades ou desafios.

Feito este resumo simples, diria que devemos enfrentar com muita coragem esta tendência destrutiva da sociedade. Para qualquer situação podemos ter sempre dois olhares: aprender, crescer e darmo-nos aos outros com a nossa circunstância, ou querer fugir dela, eliminá-la, fazendo de conta que não existe. Quem pensa que eliminar uma circunstância de grande dor na vida em vez de a aceitar, resolver ou integrar resolve alguma coisa, cai facilmente na depressão porque nem sempre é possível eliminar aquilo que a vida nos coloca no caminho; acolhe ideias de pena de morte para tirar do caminho aqueles que fizeram mal a si ou ao mundo; considera terminar uma gravidez em curso porque não tem meios de sustento nem condições familiares para acolher o próprio filho, aceita para si e para os seus um caminho de morte quando o sofrimento parece insuportável e a vida aparenta já não ser útil.

Lutar pela vida é afirmar que é vivendo que somos felizes. A felicidade é uma decisão que podemos tomar na nossa vida. Quem a toma, é feliz toda a vida, seja qual for a desgraça que lhe possa acontecer. Sei que muitos, ao lerem estas palavras pensam que falo de barriga cheia. E até podem ter razão. Há muitas desgraças no mundo que graças a Deus não tocaram a minha vida, mas também existem grandes desgostos, daqueles que deixam uma ferida aberta toda a vida, que infelizmente já tive. Não deixei de ser feliz nessas ocasiões. A felicidade pode às vezes ser vivida sem alegria, porque as circunstâncias secaram a nossa alegria. Mas estamos vivos, temos uma caminhada para fazer em família, em comunidade, por isso, mesmo quando não conseguimos sorrir, podemos ser felizes.

Não me parece razoável que só seja possível a quem sofre verdadeiros dramas falar sobre a possibilidade de ser feliz, por isso, fui à caminhada pela vida porque a vida vale a pena, e todos os que somos felizes temos o grande dever de dizer que acreditamos na vida e que rejeitamos com todas as nossas forças qualquer caminho que destrua a vida.

A felicidade existe sempre que nos dispomos a dar, a partilhar o fardo uns dos outros com soluções que queremos encontrar e implementar com o apoio dos nossos governantes.

Há um provérbio chinês que diz: quando o sábio aponta a lua, o tolo só vê o dedo. Na caminhada para a vida somos sábios. Pedimos aos nossos governantes para não serem os tolos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comunicação Social

Ser altruísta não é notícia?

Rita Fontoura
1.471

Venho humildemente desafiar a comunicação social a criar um espaço de boas notícias, de histórias de pessoas que revelem comportamentos altruístas na nossa sociedade ou no mundo.

Incêndios

Temos Futuro

Rita Fontoura
185

Os políticos passam, graças a Deus, mas o povo fica e é feito de gente que sente e sofre. Gente que se entrega sem querer receber louros. Gente verdadeira que faz o que tem que ser feito, sem alaridos

Eutanásia

Eu sei, eu vi, eu estive lá

Laurinda Alves
1.890

Não quero médicos que pensem que a minha vida já não vale a pena e se ofereçam para me matar, em vez de me encherem de confiança, esperança e cuidados. Arrepia-me a ideia do negócio à volta da morte.

Pena de Morte

150 anos depois ainda somos pela vida?

Domingos Freire de Andrade
712

Em 2017, ano em que se discute a legalização da eutanásia e se celebram os 150 anos da abolição da pena de morte e os 10 da legalização do aborto, qual é o exemplo que a nossa sociedade quer seguir?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site