Modelo de Avaliação

Somos um país péssimo onde todos são, afinal, excelentes

Autor
1.181

Não queremos submeter-nos a nenhuma avaliação, mas condenamos tudo e todos sem sequer ouvirmos os seus argumentos. Assim criamos um igualitarismo destrutivo que compromete o debate público plural.

Portugal é um país paradoxal. Sempre que falamos dos responsáveis, dos que tomam decisões, eles são invariavelmente incompetentes, obtusos e outras coisas piores. Sempre que falamos de nós próprios, somos invariavelmente esforçados, prescientes e mal compreendidos pelos nossos chefes.

Não avaliamos decisões, não pesamos prós e contras, não discutimos alternativas: preferimos fazer processos de intenção, quando não alinhamos directamente em teorias da conspiração. Da mesma forma detestamos ser avaliados – achamos sempre que isso é uma provocação, senão uma forma de nos prejudicar.

Alguns episódios recentes revelaram estas tendências em todo o seu esplendor – e também em todo o seu supremo ridículo.

Take 1: Avaliação

Basta pensar no que se passou com a avaliação dos professores. Tudo se disse. Que não era necessária porque os professores tinham sido avaliados nas universidades. Que só servia para justificar despedimentos. Que o seu conteúdo era tão básico que representava uma humilhação. Que era apenas uma obsessão do ministro. Depois, quando vieram os resultados, e se provou que, afinal, a avaliação tinha sido cruel para muitos candidatos a professores, desvalorizou-se a importância dos erros e, quando isso se mostrou insuficiente, passou-se a atacar a credibilidade do avaliador.

O que aconteceu é fácil de compreender: nenhum professor, sobretudo nenhum sindicato dos professores, é capaz de assumir que há muitos, demasiados, professores que não são bons, que são medianos, medíocres, que há até maus professores. Aquilo que qualquer aluno sabe, que qualquer pai sabe, que qualquer um de nós sabe porque já teve professores – isto é, que há muitos professores que deixam muito a desejar, para ser piedoso neste meu juízo – é uma realidade que os próprios nunca assumem. Acham sempre que é um ataque a toda a classe.

Basta ver o que o que escreveu Alexandre Homem Cristo e o tipo de reacções que encheu as caixas de comentários do Observador. Todos sabemos intimamente que a ferida existe, mas cai o Carmo e a Trindade quando alguém se atreve a colocar o dedo na ferida.

Take 2: Mais avaliação

Um outro exemplo de desproporção foram as reacções à avaliação dos centros e unidades de investigação. Não vou aqui discutir o tema, que é complexo e nem sequer está fechado, pois decorre ainda o prazo para os recursos. Vou apenas chamar a atenção para a desproporção entre o que se disse e o que realmente aconteceu.

Primeiro os dados objectivos. Metade dos centros de investigação terminaram a primeira fase com nota igual ou superior a 15 (num máximo de 20). Nesses centros trabalham dois terços do total dos investigadores. Dito de outra forma: metade dos centros e dois terços dos investigadores tiveram, para já, uma classificação superior a “bom”, de acordo com os critérios estabelecidos neste processo. Isto num país que, mesmo tendo progredido nos últimos anos, não está na vanguarda da produção mundial de ciência. Pelo contrário. De facto, existiam em 2012 em Portugal 9,2 investigadores por cada 1000 activos, o que nos colocava em quinto lugar na Europa; ao mesmo tempo, de acordo com o indicador compósito do Eurostat para a excelência em ciência e tecnologia, Portugal estava apenas em 19º lugar. Ou seja, muitos investigadores, pouca produtividade. Qualidade insuficiente? Mas como se, de todos esses investigadores, dois terços estão em centros avaliados como “muito bons”.

Olhando para estes dados talvez fosse de ficar chocado com a liberalidade da avaliação – mas não: ficou-se chocado por metade dos centros não terem atingido o patamar de “muito bom”, pois isso iria “matá-los”. Melhor: estava-se a destruir toda a investigação científica em Portugal.

Num país como o nosso, a preocupação devia ser concentrar recursos nos centros que melhor trabalham. Mas num país que é o nosso a reivindicação é continuar a dispersar os recursos por centros bons e por centros medianos, umas migalhinhas por todos.

Não duvido que no processo de avaliação tenham existido erros. Há sempre erros. Tem de haver sempre possibilidade de os corrigir. Agora isso é muito diferente de querer aproveitar eventuais erros para concluir que o objectivo é acabar com a ciência em Portugal e que, por isso, é preciso acabar com a avaliação.

À boca pequena quem quer que circule pelos corredores das universidades e centros de investigação sabe o que neles se comenta sobre a qualidade, ou falta dela, do que se produz em muita e boa parte. Mas é só à boca pequena e quando se fala dos outros. Primeiro, em público, todos ou quase todos se calam. Depois, em momentos de avaliação, são ferozes a defender o seu nicho e, se necessário, igualitários na recusa de que alguém, com outros critérios, mais independentes, olhe para o que estão a fazer e produzir. E diga que não são tão bons como julgam que são.

Take 3: Presciência

Ao mesmo tempo que se suporta mal a avaliação e a crítica, está-se sempre pronto a condenar antes de julgar, muito menos de avaliar. É por isso que não deixo de estar surpreendido com a forma como se tem falado da condução pelo Banco de Portugal – e em especial pelo seu governador, Carlos Costa – da crise do BES.

Há uma coisa que compreendo: uma parte dos ataques tem como única motivação o banco e o seu governador serem acusados de serem demasiado próximos das políticas do governo. Há blogues, como o Abrupto, onde isso se escreve preto no branco, o que tem a vantagem de tornar as coisas claras, transparentes.

Bem diferentes são as sentenças de todos quantos nunca deram o mais pequeno sinal de estarem inquietos com a situação do GES e do BES – pelo contrário, bem pelo contrário – e agora exigem que tudo tivesse sido descoberto há anos.

Mais uma vez trata-se de uma forma de debater que obscurece os argumentos. Senão vejamos: há muita coisa em todo este processo que deverá ser esclarecida, e espero que isso aconteça, mas se quisermos avaliar a decisão de criação de banco bom e um banco mau temos de avaliá-la enquanto tal, pesando os seus prós e contras por comparação com as alternativas (deixar o banco falir como sucedeu com o Lehman Brothers, nacionalizá-lo como se fez com o BPN, ou outra que alguém proponha). Em vez disso, parte-se do princípio que só razões esconsas poderiam ter impedido o banco e o governador de ver o que todos estavam a ver – esses todos que, curiosamente, estavam calados.

Tenho dúvidas sobre a forma como o Banco de Portugal actuou, mas isso não me impede de, em primeiro lugar, apreciar a solução pelo seu valor e, depois, reconhecer que houve uma enorme evolução, na boa direcção, do nível de qualidade da supervisão bancária. E que esta vai continuar a ser cada vez mais exigente.

Estas formas de olhar para a realidade reduzem o nível do debate público à subtileza das sentenças próprias de uma viagem de táxi. Muitas certezas, nenhuma fundamentação, ainda menos reflexão. E traduzem-se numa total incapacidade para mudar ou evoluir. Primeiro, porque nós somos bons e isso não se discute. Depois, porque os outros, sejam quais forem os outros, são indiferentemente maus, e isso não se contesta.

Talvez todos se se sintam melhor assim com os seus egos. Eu não.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmf@observador.pt
Governo

O país pequenino onde uma mão lava a outra

José Manuel Fernandes
1.849

A Raríssimas não é raríssima. Pior: se virmos como desde o topo do Governo a um pouco por todo o Estado há demasiados amigos e familiares, percebe-se que o exemplo até vem de cima. E ninguém estranha.

Congresso do PSD

O PSD está uma coisa muito deprimente

José Manuel Fernandes
1.013

A disputa pela liderança do PSD lembra um penoso regresso ao passado, uma disputa fulanizada sem propostas diferenciadoras e sem a capacidade de dizer ao país o que ele precisa de ouvir. E quer ouvir.

Professores

Por que é que os professores não têm razão

José Manuel Fernandes
5.372

Os professores pedem progressões automáticas como as de outros funcionários públicos, mas nem sabem como tal é injusto quando pensamos no mundo real e não protegido dos trabalhadores do sector privado

Governo

A geringonça: faqueiros, notas e sucesso escolar

Maria João Marques
1.419

Um professor de matemática na universidade disse-me que se aprendia a calcular integrais só depois de se treinar uns 4 mil. Mas as nossas crianças fazem tudo bem à primeira, nada do maçador treino.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site