Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Perto de metade das crianças portuguesas “vive em famílias sem outras crianças”, afirma o Instituto Nacional de Estatística (INE). Num documento divulgado nesta quinta-feira, a propósito do Dia Mundial da Criança que se celebra a 1 de junho, o organismo refere que a percentagem de miúdos que se encontram nesta situação atinge 45,6.

Com base nos dados apurados através do Census 2011, o INE refere que quase oito em cada dez crianças vivem com o pai e mãe, enquanto 13,5% habitam apenas com a mãe, em núcleo monoparental.

O Instituto adianta, também, haver mais crianças do sexo masculino. Os rapazes representavam 51,1% do total de crianças. Quando é considerada a população total de Portugal, a situação é inversa. As mulheres representam 52,2% devido à maior esperança de vida em comparação com a dos homens.

O INE assinala, também, que vivem no país cerca de 50 mil crianças estrangeiras, com um peso de 3,2% no total, e três em cada dez têm a nacionalidade brasileira, seguindo-se 9,1% de origem ucraniana. Perto de 28% das crianças com nacionalidade estrangeira “têm naturalidade portuguesa” e é na comunidade chinesa que se assinala a percentagem mais elevada de crianças nesta situação, com 58,8% do total.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR