O ortopedista e especialista em medicina desportiva Fernando Ferreira acredita que a utilização de Cristiano Ronaldo no Mundial “vai ser muito bem doseada para ser preponderante em momentos decisivos”. O antigo médico do Sporting tem acompanhado a lesão de Ronaldo e afirma que, caso o jogador não seja poupado, pode dar origem a “um grande romance”.

Fernando Ferreira refere-se às declarações de Florentino Pérez, presidente do Real Madrid, que na quarta-feira disse que Ronaldo só deveria jogar no Mundial se estiver saudável. “Não é inofensivo ele vir dizer isto”, comenta Fernando Ferreira. Para o médico, o clube madrileno “está a demarcar-se” da lesão que o jogador tem no tendão rotuliano, assumindo “uma atitude defensiva” face à Federação Portuguesa de Futebol, que também adotou semelhante atitude.

A diferença entre os dois organismos está na classificação da lesão. “O Real Madrid fala em tendinite, a Federação em tendinose”, o que representa uma grande diferença: a tendinite é uma inflamação resultante de trauma, a tendinose é causada pela “sobreutilização” do tendão e pela falta de tratamento da tendinite. Isto significa que, ao dizer que Ronaldo tem uma tendinose, a Federação atira a responsabilidade para o Real Madrid, enquanto que o clube espanhol aponta baterias ao órgão máximo do futebol português.

Os problemas físicos de Ronaldo começaram em março, uma tese inicialmente avançada por um jornalista do El País e confirmada por Fernando Ferreira. O melhor jogador do mundo começou por ter “uma inflamação na ponta do tendão rotuliano”, isto é, uma tendinite. O tratamento para essa lesão é o repouso, algo que Ronaldo não teve em dose suficiente. Por isso, explica o médico, o jogador acabou por fazer uma outra lesão no bíceps femoral esquerdo (na parte de trás da perna), o que lhe causou “um duplo problema”: ao chutar a bola, o tendão rotuliano ressente-se; ao fazer impulsão para correr ou rematar, é o músculo do bíceps que sofre. Além disso, Fernando Ferreira acrescenta: “As tendinoses classificam-se em quatro graus e não sabemos em qual está” a lesão de Ronaldo.

Há, por isso, três atitudes a tomar. Ou Cristiano Ronaldo falha todos os jogos do Mundial – uma solução que agradaria ao Real Madrid e “deixaria descansados os médicos da Federação”; ou o jogador participa na competição normalmente, uma hipótese pouco provável para Fernando Ferreira, porque dessa forma Ronaldo poderia “arranjar uma lesão gravíssima” no tendão rotuliano, que “no limite” poderia romper e deixar Cristiano parado por muitos meses ou, até, nunca voltar a jogar. Cristiano Ronaldo vale entre 150 a 160 milhões de euros, refere um estudo do Euromericas Sport Marketing.

Por isso, acredita Fernando Ferreira, a terceira hipótese é a que tem mais força. “Não vai haver coragem de o retirar do Mundial. Sem ele, a seleção é banalíssima. Ele vai aparecer mais ou menos mal, vai jogar em subrendimento [e o esforço] vai ser muito bem doseado”, refere. Para já, o que sabe com certeza é que o capitão da seleção vai falhar o amigável com o México.