Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Manuela Ferreira Leite admitiu esta quinta-feira que vai pedir um requerimento à Assembleia da República para saber de que modo tem sido aplicada a dotação provisional, o dinheiro que está previsto no Orçamento do Estado para servir de reserva caso surjam imprevistos. Questionada sobre a existência de soluções alternativas para o buraco orçamental que o chumbo do Tribunal Constitucional abriu nas contas públicas, a antiga líder social-democrata foi clara: “Se isto só se resolve na base do corte da despesa dos funcionários públicos? Eu acho que ninguém pensa que só existe esta solução”, explicou.

“Não tenho uma solução ideal mas há seguramente outras soluções. Neste momento, em vez de ir ao futebol, o que o primeiro-ministro devia dizer à ministra das finanças era para usar as reservas (isto é, a dotação provisional) que existem para tapar estas situações”, continuou Ferreira Leite, acrescentando que o valor “anda à volta dos 570 milhões de euros”.

Querendo saber qual o destino desse dinheiro e de que forma é que está a ser aplicado, Manuela Ferreira Leite deixou claro que “se não houver nenhum esclarecimento público dessa matéria”, a própria fará “um requerimento à Assembleia da República para que os deputados me respondam para onde vai o dinheiro, já que eles têm obrigação de responder. É exatamente essa a função dos deputados, controlar o destino das verbas do orçamento”, concluiu.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR