Rádio Observador

Justiça

Esta mulher é portuguesa e é procurada pela Interpol

1.001

Telma Couto tem 27 anos e estudou medicina em Portugal. É suspeita de ter tentado assassinar o marido, com a ajuda de um amigo, na Suiça. As autoridades suíças procuram-na desde o final de abril.

Telma Couto é suspeita de ter tentado envenenar o marido e de, depois, lhe ter desferido um golpe no pulso

Mede 1,65m, pesará 67 quilos, tem cabelos pretos e olhos cinzentos (segundo informação policial). Chama-se Telma Garcia e, aos 27 anos, é a única mulher portuguesa na lista dos mais procurados da Interpol. O site daquela instituição refere que é procurada pelas autoridades suíças por homicídio e sequestro. O Observador apurou que Telma Garcia formou-se em medicina, em Portugal, e que é suspeita de tentar matar o marido na Suiça. Procuram-na há três meses.

Contactada pelo Observador, fonte do Ministério da Justiça e Polícia Suíço confirmou que Telma Garcia é procurada pelas autoridades suíças desde “finais de abril por tentativa de homicídio e eventualmente de sequestro”.

Tudo aconteceu numa madrugada de quarta-feira, a 23 de abril. Telma terá chegado à casa do marido em Rossens, cantão de Fribourg, acompanhada de um amigo. Os dois ameaçaram de morte o marido dela, de 43 anos, com uma arma de fogo. Segundo o comunicado emitido, na altura, pela polícia de Fribourg, Telma e o amigo obrigaram o marido dela a beber “um cocktail” estranho. Seguiu-se uma briga. Ele tentou resistir. “Foi quando o homem o agarrou pelo pescoço e a mulher lhe desferiu um profundo golpe no pulso”, disseram as autoridades.

A vítima perdeu a consciência e quando acordou conseguiu ir para a rua pedir ajuda. Eram cerca de 3h quando um morador do bairro o encontrou e chamou as autoridades. O casal fugiu e o carro da vítima ainda foi dado como desaparecido. Mas acabou por ser encontrado no parque de estacionamento de um restaurante de estrada em Gruyère. Estava vazio. E trancado.

O Observador contactou a proprietária de um restaurante português local. “Lembro-me desse caso, foi muito falado nos jornais e na televisão. Mas nunca ninguém disse que envolvia portugueses”, revelou, sem querer identificar-se e sem fornecer mais pormenores.

O Observador tentou saber junto da Polícia Judiciária, em Portugal, se tinha informações adicionais sobre o caso, mas não obteve resposta. As autoridades suíças também não responderam se contactaram as autoridades portuguesas a propósito deste caso concreto.

telma_face

A página de facebook de Telma Garcia foi criada em meados de maio

Há uma página criada em nome de Telma no Facebook. Tem apenas quatro amigos e nenhum deles respondeu, por enquanto, ao Observador. No perfil, lê-se que Telma Garcia nasceu em Santarém, onde estudou antes de ter entrado na faculdade de medicina da Universidade de Coimbra. Depois, segundo uma ex-colega de turma, pediu transferência para Lisboa.

Telma identifica-se como auxiliar médica numa empresa suíça, tal como na rede social Linkedin. “Ela mudou várias vezes de turma e não tinha muitos amigos. Mas posso garantir que acabou o curso e recebeu o diploma. O que não faz dela médica”, disse a fonte ao Observador.

Na página de Facebook, onde consta a imagem do site da Interpol e que terá sido criada em meados de maio por uma terceira pessoa, diz-se que Telma vive no Rio de Janeiro e que antes de se mudar para a Suíça viveu em Chaves. O site da rádio online FeelFM refere que Telma tem duas irmãs, é filha de um casal de Chaves que terá vindo viver para Santarém.

Telma chegou a estagiar no Brasil, como confirmou a colega de curso. E até deu uma entrevista sobre a sua experiência. “O nosso ensino (em Portugal) é muito teórico, começamos a praticar muito tarde. Eu reparei que aqui os colegas que estavam no mesmo ano que eu já tinham acesso ao paciente e aos prontuários médicos”, disse à Lusa.

A colega de universidade diz que ainda soube que Telma se casou. “Mas nunca mais soube nada dela, até agora ver a informação da Interpol”.

Neste momento a Interpol procura 17 portugueses suspeitos de crimes por pedidos de autoridades internacionais. Telma é a única mulher portuguesa. Na lista dos procurados aparece outra mulher, mas com dupla nacionalidade: portuguesa e chinesa.

 

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)