Enviar mensagens, partilhar estados, fazer amigos, criar grupos – entre empresas. A Hook Biz é uma espécie de Facebook para negócios “à portuguesa” lançada em Outubro de 2013. O projeto de Ricardo Oitavén conta com mais de mil utilizadores oriundos de 50 países, como Moçambique, Indonésia, Estados Unidos da América, China e Bahamas, entre outros.

O objetivo do fundador é o de revolucionar a forma como as empresas comunicam e partilham projectos: quer ser a maior rede social do mundo para negócios entre pequenas e médias empresas (PME’s). Factor de diferenciação? Rege-se pela procura e não pela oferta: as empresas podem colocar propostas na rede e esperar o contacto de fornecedores. Com este tipo de dinâmica, a startup promete reforçar os laços de confiança e proximidade entre os vários responsáveis das organizações.

“As novas dinâmicas de negócios vieram trazer diferentes desafios para as empresas, especialmente as PME’s. Muitas vezes não sentimos retorno efetivo no trabalho desenvolvido por equipas de comerciais ou por serviços externos”, explica Ricardo Oitavén. Foi a pensar nas empresas que querem rentabilizar ao máximo os seus recursos, sem deixar de lado a procura de novos negócios e oportunidades, que a ideia surgiu. O fundador acrescenta que quer ajudar a potenciar os negócios das PME, “abrindo-lhes novas perspetivas”.

unnamed

Ricardo Oitavén quer que a Hook Biz se torne na maior rede social do mundo para empresas

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

ajuda, mas não cobra comissão

Como funciona? A empresa cria o seu perfil na rede, com informações sobre a atividade, contactos e links para presenças online e os eventuais fornecedores que queiram participar do projecto podem enviar a sua proposta diretamente pela rede. Na fase inicial, a equipa da Hook Biz ajuda os utilizadores na pesquisa das melhores propostas, identificando potenciais fornecedores de serviço para as propostas em aberto. A empresa adianta que não cobra qualquer tipo de comissão pelos negócios efetuados.

A rede social está disponível em cinco línguas, português, inglês, espanhol, francês e holandês e para vários ramos de actividade. “É possível encontrar na Hook Biz, por exemplo, uma empresa de marketing, a Global Market no Brasil, ou uma empresa de tecnologia, a Fusi Global Teknologi na Indonésia, a Adding Talent no continente africano, em Angola, ou ainda a Argen de Nevis, LLC, nos Estados Unidos da América”, adianta a empresa em comunicado.

A startup de Ricardo Oitavén teve um investimento de cerca de 300 mil euros e foi cofinanciada pelo QREN – Quadro de Referência Estratégico. Nove meses depois da estreia, o processo de internacionalização conta com uma parceria oficial na Holanda. Brasil e os Estados Unidos da América são os próximos mercados-alvo, mas “não no imediato”.

Em junho do ano passado, a Hook Biz ficou em segundo lugar no sétimo concurso de ideias, na área de tecnologias de informação, promovido pela DNA Cascais, associação sem fins lucrativos que tem por objectivo contribuir para a promoção, incentivo e desenvolvimento do empreendedorismo.