Rádio Observador

Mundo

Obama, o grande espião

Novas revelações feitas por Edward Snowden e reveladas hoje pelo Washington Post mostram que os cidadãos inocentes são vítimas de um ataque em larga escala à sua privacidade.

Pool

Em nome de uma maior eficiência na condução da espionagem cibernética, a privacidade individual está posta em causa. É isto que demonstram as notícias publicadas hoje pelo Washinton Post, que detalham as cerca de 160 mil mensagens – entre e-mails, fotografias e conversas na internet – recolhidas pelos serviços de espionagem da Agência de Segurança Nacional (NSA, em inglês).

O conjunto de documentos disponibilizados por Edward Snowden, que abandonou a agência de vigilância norte-americana no ano passado, demonstram que apenas um décimo dos cidadãos visados nas recolhas de informações é de facto suspeito de algum crime. As comunicações interceptadas entre 2009 e 2012 envolveram sobretudo utilizadores comuns, a maior parte norte-americanos, que eram muito mais do que os cidadãos estrangeiros que a agência norte-americana estava de facto autorizada a investigar.

Em 22 mil e-mails vistos pelo jornal da capital americana, apenas 11% correspondiam a alvos da NSA, já de si uma definição bastante vaga e abrangente. Os restantes cidadãos não são suspeitos de nada, e a vida é escrutinada e arquivada para ficar permanentemente à disposição das autoridades norte-americanas.

Numa investigação de quatro meses, o Washington Post analisou mais de 160 mil e-mails e mensagens interceptadas nas redes sociais, associadas a mais de 11 mil contas online, confirmando o que um responsável da NSA já tinha admitido, quando reconheceu que a agência recolheu dados de cidadãos norte-americanos sem autorização legal.

Quase metade dos ficheiros analisados, que continham nomes, endereços de e-mail ou outros detalhes pessoais, diziam respeito a cidadãos norte-americanos aleatórios, e levantaram o véu de um dilema profundo: a vigilância apertada levou à descoberta de informações de relevância considerável para a agência de inteligência, mas ao custo de derrubar as barreiras de privacidade numa tal escala que será impossível a administração de Barack Obama defender-se.

Entre as informações de conteúdo relevante para a inteligência norte-americana, que o jornal norte-americano diz não detalhar para não interferir com as investigações em curso, estarão, por exemplo, revelações novas sobre projetos nucleares no estrangeiro. Mas a maior parte dos ficheiros, no entanto, diz respeito a informação descrita como inútil, mas ainda assim interceptada, de caráter íntimo, como relações amorosas e sexuais, crises psicológicas, conversas políticas e religiosas, anseios financeiros, etc. Ou seja, diz o jornal da capital norte-americana, a intercepção de tais mensagens chega quase ao nível do voyeurismo.

Os materiais recolhidos remetem para o primeiro mandato de Barack Obama, de 2009 a 2012, um período de crescimento exponencial da base de dados da NSA.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)