Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A banca portuguesa apresentou, pelo terceiro ano consecutivo, um prejuízo de 96 euros por cliente, enquanto a média europeia é positiva: 127 euros por cliente. As conclusões são de um estudo divulgado esta quinta-feira pela consultora norte-americana A.T. Kearney, que analisou o desempenho de mais de 100 bancos e divisões bancárias de retalho em 24 países europeus, em 2013.

Em Portugal, a receita por cliente caiu 25% face a 2012, para 240 euros, fruto da deterioração da margem financeira (diferença entre os juros cobrados pelos créditos concedidos e os juros pagos aos clientes) da banca portuguesa. Na Europa, esta receita subiu ligeiramente, de 667 euros para 668 euros. No geral, os depósitos aumentaram e o volume de crédito concedido decresceu.

“Os clientes dos grandes bancos de retalho permanecem receosos em tomar decisões financeiras importantes e fazer investimentos significativos, o que tem afectado os níveis de receita”, afirma Andreas Pratz, sócio da A.T. e um dos autores do estudo.

Três anos depois de terem começado os reforços de capital na banca portuguesa, as instituições esforçam-se agora por regressar a níveis positivos de rentabilidade, apostando, por exemplo, no ajustamento das despesas ao número de clientes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Banca europeia com recuperação lenta

A nível europeu, assistiu-se a uma recuperação lenta, mas gradual, da banca de retalho, que a consultora prevê que continue em 2014 e 2015. Contudo, o nível de rendibilidade do setor ainda está abaixo dos níveis pré-crise e a consultora avança que a recuperação total tardará a chegar.

Os bancos que cumpram “de forma mais célere e inteligente os principais desafios que se avizinham, nas áreas de distribuição, digitalização e eficiência de custos, serão aqueles que melhor estarão preparados para serem mais rentáveis e bem-sucedidos no futuro”, diz a consultora.

Os esforços de transformação da banca a nível europeu levaram a uma redução de 1,5% dos colaboradores e ao encerramento de 4,5 mil agências. Nos últimos seis anos, os bancos eliminaram mais de 25 mil empregos, cerca de 7% do total pré-crise.

Pedro Castro, diretor da A.T. Kearney , está esperançado que em 2015 os níveis de provisões [valores para cobrir riscos com os créditos] dos bancos de retalho estabilizem nos 16%.

Apesar dos esforços de reestruturação dos bancos europeus, o rácio de eficiência (relação entre custos e receitas) apresentou uma melhoria “ligeira” para 61%, em 2013. No geral, as receitas foram superiores aos custos.

“Os nossos resultados mostram pouca correlação entre reduções de colaboradores e eficiência de custos, apesar de os custos com pessoal representarem mais de metade dos custos da maioria dos bancos de retalho europeus”, adianta Andreas Pratz, acreditando que muitos dos bancos que reduziram custos reinvestiram esses ganhos.

As provisões dos bancos para risco de crédito diminuíram em 2013. Pedro Castro, diretor da A.T. Kearney adianta que as medidas que foram adoptadas para a “limpeza dos balanços” e o aumento da exigência das políticas e modelos de gestão do risco “dão esperança que 2015 possa ser o ano em que os bancos de retalho regressem a níveis de provisões em torno dos 16%”

Na rendibilidade por cliente, a média europeia aponta para 127 euros, “ainda bastante distante dos níveis pré-crise”. Os bancos italianos e portugueses registam rendibilidades negativas por cliente, de 279 euros e 96 euros, respetivamente.

Futuro faz-se com agências mais pequenas

O futuro da banca depende da velocidade da recuperação económica e da resistência financeira de cada instituição. O estudo aponta para que, em 2014 e 2015, as margens financeiras subam lentamente, suportando melhorias no produto bancário. Os níveis de provisionamento para riscos de crédito devem diminuir à medida que o desemprego estabiliza e os rácios de eficiência deverão melhorar, consequência dos esforços de reestruturação.

Para o curto prazo, a consultora aponta quatro áreas de foco: a eficiência operacional, reconsiderar as agências num ambiente multicanal, preparar-se para o digital e tornar-se mais rentável. “O desempenho de bancos líderes na nossa base de dados, com rácios de eficiência entre 37% e 45%, mostra o potencial de melhoria para vários outros bancos de retalho europeus”, destaca Pedro Castro.

Os bancos do futuro terão agências mais pequenas e estas estarão focadas no aconselhamento ao cliente e na divulgação da marca, com novas tecnologias e estratégias cada vez mais digitais, diz o estudo. Para se tornarem mais rentáveis, os bancos têm de diferenciar e segmentar a sua abordagem ao cliente, refere a consultora.