O homem suspeito de ter roubado ficheiros médicos do ex-piloto de Fórmula 1 Michael Schumacher foi encontrado morto na passada quarta-feira, na sua cela. O motivo da morte foi enforcamento, adianta o The Independent.

A Polícia de Zurique levou a cabo uma primeira investigação onde confirmou que não houve outros envolvidos na morte do homem, preso na passada terça-feira e que trabalhava até à data no serviço de ambulâncias aéreas Rega, reforçando a tese de um suicídio.

O suspeito era acusado de ter cedido documentos com informações médicas em troca de 50 mil euros a vários meios de comunicação franceses, suíços e alemães, como adianta Sabine Kehm, a assessora de Schumacher.

O processo pela suspeita de violação de confidencialidade foi aberto após a empresa de ambulâncias aéreas e a família de Schumacher terem apresentado formalmente uma queixa pelo roubo dos ficheiros médicos.

A Rega, empresa para qual trabalhava o suspeito, foi responsável pelo transporte de Schumacher a 16 junho para o Centro Hospitalar Universitário de Vaud, perto de Lausanne na Suíça.

O heptacampeão de Fórmula 1 foi colocado em coma induzido, após cair enquanto esquiava em Méribel, para que o seu quadro clínico não piorasse. Apesar de já ter saído do estado comatoso, a família de Schumacher não revela quais são as condições de saúde atuais do ex-piloto.