Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O especial que publicámos no dia 9 acertou em cheio: a iraniana Maryam Mirzakhani é a primeira mulher a vencer a Medalha Fields, conhecido por “Nobel da Matemática”, pelo seu trabalho em geometria complexa. Mirzakhani tem 37 anos e é professora na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos da América.

O anúncio foi feito no decorrer do Congresso Internacional de Matemática que começa hoje em Seul, promovido pela União Internacional de Matemática. Nunca na história da medalha Fields — que existe desde 1936 — houve uma mulher galardoada. O prémio tem o valor de 15 mil dólares canadianos e é o reconhecimento de uma mulher que “produziu mais ciência matemática na sua tese de doutoramento que a maioria dos matemáticos numa vida inteira”, de acordo com Benson Farb, matemático da Universidade de Chicago. E era também a última hipótese para a professora de Stanford: a Medalha Fields é atribuída de quatro em quatro anos pelo trabalho desenvolvido pelos matemáticos até aos 40 anos de idade.

No artigo de Jorge Buesco publicado no dia passado dia 9, o matemático português colocava a iraniana Maryam Mirzhakani na linha da frente das candidatas ao prémio. Tem no curriculo prémios importantes e trabalho desenvolvido em diversas áreas; veja o vídeo de apresentação para a medalha Fields aqui.

Os outros vencedores foram o austríaco Martin Hairer pelo seu trabalho na análise estocástica, o brasileiro Artur Avila pelo estudo da teoria do caos e dos sistemas dinâmicos e o canadiano Manjul Bhargava pelos trabalhos na teoria algébrica dos números.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR