O PSI 20 encerrou nesta terça-feira a recuar 0,37%, para os 5.887,00 pontos, contrariando a tendência das praças europeias, penalizado pelo fraco desempenho da EDP e da Jerónimo Martins, que perderam mais de 2%. Entre as 18 cotadas que integram o índice de referência da praça portuguesa, nove fecharam em queda, sete valorizaram-se e duas ficaram inalteradas (Banif, nos 0,008 euros, e a Altri, nos 2,24 euros).

A EDP liderou as perdas da sessão, ao ceder 2,22% para os 3,57 euros. A Jerónimo Martins foi a segunda cotada que mais penalizou o desempenho do PSI 20 e fechou a cair 2,07% para 9,99 euros. Ainda na energia, a EDP Renováveis recuou 1% para 5,47 euros, e a REN caiu 0,15% para 2,69 euros. Ao contrário, destaque para a Galp, que avançou 0,70% para 13,62 euros.

Na construção, a Teixeira Duarte perdeu 1,44% para 0,89 euros, ao contrário da Mota Engil, que apreciou 0,83% para 4,73 euros. O Diário Económico noticia hoje que a “Parpública e a Águas de Portugal recomendam a escolha imediata da Mota-Engil” na privatização da EGF.

No setor das telecomunicações, a Portugal Telecom destacou-se pela positiva e avançou 2,78% para 1,62 euros. Já a NOS perdeu 0,29% para 4,41 euros.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já na banca, o BCP subiu 1,47% para 0,10 euros, ao contrário do BPI, que recuou 0,14% para 1,46 euros. A Sonae e a Portucel registaram perdas de 0,52% e 0,6%. Já a Impresa e os CTT apreciaram 0,38% e 0,33%.

Na Europa, o dia foi positivo na maioria das praças. Além da bolsa de Lisboa, apenas Paris (CAC) fechou em queda, recuando uns ligeiros 0,03%. Os investidores continuam a aguardar com expetativa o anúncio que poderá fazer o presidente do BCE, Mario Draghi, na quinta-feira, com as agências internacionais a sublinharem que a entidade já se mostrou disponível para aplicar novos estímulos monetários na zona euro, como a compra de dívida pública para combater a baixa inflação e estimular o crédito na região.