Rádio Observador

Competitividade

Portugal sobe 15 posições no ranking da competitividade

476

Ranking mundial de competitividade é liderado pela Suíça. Portugal sobe 15 lugares com a inovação, infraestruturas e a facilidade com que se criam empresas a serem considerados fatores de excelência.

António Pires de Lima, ministro da Economia

LUSA

Portugal subiu 15 lugares e ocupa o 36.º lugar no ‘ranking’ mundial de competitividade de 2014-2015, divulgado, nesta quarta-feira, pelo Fórum Económico Mundial, recuperando de uma queda que se verificava desde 2005, com exceção de 2011, avança a agência Lusa.

O ‘ranking’ mundial de competitividade continua a ser liderado pela Suíça, seguida por Singapura. Estados Unidos, que subiram dois lugares, Finlândia e Alemanha, que desceram uma posição cada um, ocupam o terceiro, o quarto e o quinto lugares da tabela.

Portugal surge no 36.º lugar do ‘ranking’, invertendo a tendência de queda que se verificava desde 2005, quando o país alcançou o 22.º lugar. O país caiu na tabela durante vários anos, à exceção de 2011, quando subiu uma posição, e no relatório divulgado no ano passado ocupou o 51.º lugar.

O Fórum destaca que “o ambicioso programa de reformas adotado pelo país, que parece começar a dar bons resultados”. Considera, no entanto, que Portugal deve continuar com a implementação completa” das reformas, de modo a combater “as preocupações macroeconómicas persistentes”.

O contexto macroeconómico (a dívida pública portuguesa é a 6.ª pior entre os 144 países analisados), o desenvolvimento do mercado financeiro e a eficiência do mercado de trabalho receberam as pontuações mais baixas no ranking. A burocracia, a carga fiscal e o acesso ao financiamento são os três fatores apontados como “mais problemáticos” para o desenvolvimento de negócios em Portugal.

Portugal ultrapassa república Checa, Malta e Itália

Para Luís Filipe Pereira, presidente do Fórum de Administradores de Empresas (FAE), se Portugal conseguir aumentar a sua competitividade, muitos dos problemas que levaram às medidas de austeridade, ficariam resolvidos. “Discutimos muito o efeito da crise, mas discutimos muito pouco o que está por baixo, que é a falta de competitividade. É ela que determina o crescimento económico”, adianta Luís Filipe Pereira.

Desde 2006 que o desempenho de Portugal vinha a piorar. O relatório, que compara a competitividade entre 144 países, é composto por indicadores numéricos e objetivos e pela opinião dos decisores empresariais sobre o que se passa nos países em que atuam.

Em 2014, Portugal alcançou um nível semelhante ao de 2006 e conseguiu superar países como a República Checa, Polónia, Malta, Itália e países que, apesar de estarem em vias de desenvolvimento, tinham ultrapassado Portugal no passado, como o Panamá ou o Azerbaijão. No período que é comparável, desde 2005, esta é a melhor posição alcançada por Portugal.

Como fatores de destaque, os responsáveis das associações apontam a inovação, a eficiência do mercado laboral e dos bens de serviços. A inovação foi mesmo considerada um fator decisivo, com o número de patentes por milhão de habitantes a subir para 13.

Os itens que ainda são considerados problemáticos são, sobretudo, a ineficiência da burocracia governamental, impostos, acesso a financiamento, estabilidade de políticas, legislação laboral restritiva, entre outros. Apesar de serem problemáticos, melhoraram face aos anos anteriores e foram um dos contributos para a subida do país no ‘ranking’.

Destes, os impostos e o peso da regulamentação governamental foram os itens que tiveram maior impacto, com uma subida de 12% e 11%, respetivamente. “São fatores em que continuamos mal, mas que melhorámos. No caso dos impostos, talvez tenha tido algum impacto a questão do IRC, mas não podemos esquecer que este relatório também tem em conta a opinião dos empresários”, acrescenta o presidente da FAE,

Os fatores de excelência são, por sua vez, as infraestruturas, estradas, portos, aeroportos, a mão-de-obra qualificada, capacidade de inovação e a ética nas empresas. Há ainda outro fator que é destacado pelos especialistas, a facilidade com que hoje se consegue criar uma empresa, em parte suportada pela diminuição da burocracia. Luís Filipe Pereira refere-se a medidas como o Simplex. Na facilidade de criação de negócios, Portugal ocupa a quinta posição quando em 2006 estava na 89ª.

Entre os pontos positivos, também se encontra o ensino primário e superior (as escolas de gestão ocupam o 4.º lugar na tabela) e a preparação tecnológica.

Quanto à dívida pública, Portugal está em 138º lugar no ‘ranking’ total, mas os responsáveis da FAE e da Proforum (Associação para o Desenvolvimento da Engenharia) adiantam que esse é apenas um dos indicadores em análise e que a competitividade de um país não depende inteiramente dela. E dão o exemplo do Japão, que, apesar de ter a maior dívida pública do mundo está em sexto lugar no ‘ranking’ da competitividade.

O World Economic Forum aconselhou Portugal a não abrandar o seu reforço reformista para ultrapassar o “elevado déficit”, em 107º lugar no ranking, e a enorme dívida pública, em 138º lugar, e propõe intervenções no fortalecimento do setor financeiro, na facilidade de acesso ao crédito, no aumento da flexibilização laboral, da qualidade da educação e da capacidade de inovação.

O relatório foi apresentado na AESE – Escola de Direção e Negócios e serve como guia de consulta para investidores estrangeiros interessados em investir num dos países presentes no ‘ranking’.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Global Shapers

Carta aos pais de filhos na alta competição

Diogo Ganchinho
6.243

Não saber perder significa não aceitar a derrota com humildade. Existe algo na vitória que jamais se poderá perceber na derrota. Perder e aceitar isso, permite uma aprendizagem oculta nas vitórias.

Crescimento Económico

Como vai o motor da nossa economia?

Luís Ribeiro

Estamos a viver “à sombra da bananeira” de uma alta imobiliária que alguns consideram já ser mais uma “bolha” do que um “boom”. É uma ilusão que se esfuma facilmente e é incapaz de arrastar a economia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)