Marinho e Pinto, que tomou a decisão de abandonar o MPT (pelo qual foi eleito eurodeputado) e formar um novo partido, jantou há cerca de um mês com o candidato independente à Câmara de Sintra, Marco Almeida. Este chegou a ser vice-presidente da Câmara no mandato de Fernando Seara, não teve apoio do PSD para ser o candidato do partido em 2013 e candidatou-se como independente, ficando em segundo lugar (atrás do PS e à frente do candidato do PSD).

Marco Almeida não vai aderir ao novo partido de Marinho e Pinto, mas não poupa elogios ao ex-bastonário da Ordem dos Advogados. “É uma pessoa sem receio de ruturas como eu. Revejo-me nessa coragem. Faz falta alguém que abane o sistema político e partidário. As pessoas estão cansadas dos partidos mais tradicionais”, afirmou ao Observador Marco Almeida.

O agora vereador da Câmara de Sintra afirma estar preocupado com “o descrédito da política” e “a elevada taxa de abstenção”.

Marco Almeida aproveitou para convidar Marinho e Pinto para ir fazer uma conferência sobre reforma do sistema político a Sintra, o que acontecerá em outubro. “Temos alguns pontos em comum, mas não há nenhum compromisso da minha parte”, disse.

Na altura, Marinho e Pinto ainda não tinha tomado a decisão de formar um novo partido, mas já estava a ponderar essa opção.

Na semana passada, o ex-bastonário da Ordem dos Advogados esteve em Ponte de Lima, para uma conferência sobre sistema político, a convite do movimento de independentes que se candidatou àquela câmara.

Numa altura em que Marinho avançará com um novo partido, parece estar a fazer o circuito junto de militantes descontentes com os atuais partidos.