O coordenador do BE João Semedo considerou esta terça-feira que a “nebulosa” criada por Pedro Passos Coelho ao “desconversar” sobre o regime de exclusividade no Parlamento compromete o cargo de primeiro-ministro que exerce e exigiu esclarecimentos definitivos.

“Esta nebulosa compromete a função que o primeiro ministro exerce, o seu prestígio, credibilidade, seriedade, honorabilidade. Isso não é compatível com o cargo de primeiro ministro, que tem todo o interesse em esclarecer a situação. É isso que exigimos que, de uma vez por todas, o primeiro ministro faça”, reclamou João Semedo, em declarações aos jornalistas no Porto depois de uma reunião sobre o salário mínimo nacional.

O coordenador do BE questionou ainda a Assembleia da República, vincando que a mesma “tem de esclarecer” porque deu “uma informação pública que não corresponde à realidade”, ao dizer, na segunda-feira, que Passos Coelho não teve entre novembro de 1995 e de 1999 qualquer regime de exclusividade enquanto exerceu funções de deputado.