Rádio Observador

Política

Primárias merecem “reflexão” mas partidos não vão atrás

Método escolhido pelo PS para desbloquear a crise interna merece atenção do PSD. Depois de Paulo Rangel, José Matos Correia diz que "vale a pena pensar" mas outros partidos não têm de ir atrás.

Primárias no PS mobilizaram mais de 240 mil eleitores, entre militantes e simpatizantes

© Hugo Amaral/Observador

As primárias socialistas para a escolha do candidato a primeiro-ministro foram as primeiras realizadas em Portugal e, dada a forte participação eleitoral, fizeram soar o alarme no interior dos restantes partidos.

O vice-presidente do PSD José Matos Correia afirmou ao Observador que “deve-se refletir, pensar, e tirar conclusões” sobre o método eleitoral usado pelo Partido Socialista, mas “não é por um partido o ter feito que o outro deve ir atrás”.

“Não sou apologista da ideia de que por um partido grande ter adotado este método o outro [o PSD, neste caso] também tenha de o fazer”, disse o social-democrata ao Observador, sublinhando que também nunca foi “especial adepto” da eleição do líder por diretas, onde todos os militantes do partido são chamados a votar. As eleições diretas no PSD começaram em 2006, com a eleição de Luís Marques Mendes, e têm sido desde então o método adotado para escolher o secretário-geral do partido.

As primárias do PS, que no domingo à noite deram uma vitória esmagadora a António Costa, surpreenderam todos pela elevada taxa de participação. Uma participação que Matos Correia realça ter sido elevada fundamentalmente por duas razões: por a campanha ter tido uma “agressividade anormal e nunca antes vista” e pelo fator “novidade“. “No início as diretas também mobilizaram muita gente [militantes]” e depois foram perdendo participação, diz.

Para o deputado e vice-presidente do PSD, as primárias do PS merecem atenção por terem sido “uma experiência nova”, mas merecem também algumas reticências. Segundo Matos Correia, as novas formas de eleger o líder do partido (tanto as primárias como as diretas) vieram diminuir a importância dos Congressos, que hoje se limitam a consagrar o nome já escolhido e que antes, segundo diz, tinham a vantagem de “permitir uma grande mobilização interna”.

Já antes, o eurodeputado social-democrata Paulo Rangel se tinha referido à “ideia de abertura dos partidos à sociedade” como “uma ideia positiva”, apontando vantagens a esta forma eleitoral que, disse, “constitui um precedente muito relevante que os outros partidos vão ter claramente que considerar”. Ainda assim, e à semelhança de Matos Correia, deixou uma ressalva: se esta abertura à sociedade “se traduz necessariamente em primárias ou não, podemos ter dúvidas”, mas o passo dado pelos socialistas merece “reflexão”.

Ao Observador, o porta-voz do CDS, Filipe Lobo d’Ávila afirmou que “umas eleições em que votam 180 mil pessoas são impressionantes” e que “os partidos devem pensar em melhorar” a relação com os cidadãos, mas é tudo, para já. O CDS, aliás, já fez eleições diretas para a escolha do presidente mas, entretanto, Paulo Portas acabou com esse modelo, voltando o líder a ser eleito em congresso.

O PCP, por outro lado, afasta categoricamente qualquer possibilidade de vir a aplicar o método, afirmando que não se trata de um “exemplo de cidadania e participação ou abertura à sociedade”, ao contrário do que quis parecer. “O que as chamadas primárias revelaram desde o seu início foi essencialmente um processo de arregimentação de apoios e de mobilização de interesses e ambições pessoais ou de grupo instalados no PS”, declarou o partido questionado pelo Observador.

Para os comunistas, a escolha deste método eleitoral por parte do Partido Socialista tratou-se de uma “fraude” e da “construção de uma ilusão” face ao objetivo de eleger o candidato a primeiro-ministro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)