Rádio Observador

Forças Armadas

Morreu Alpoim Calvão, o comandante da “operação Mar Verde” na Guiné

2.502

Capitão de mar e guerra foi o militar que comandou "operação Mar Verde" durante a guerra colonial na Guiné. Marinha elogia "brilhante estratega" e "referência" dos fuzileiros. Velório é nos Jerónimos.

DR - Alpoim Calvão recebeu a medalha Medalha de Comportamento Exemplar em 2010

O comandante Guilherme Alpoim Calvão morreu esta terça-feira aos 77 anos, noticiou a SIC Notícias. Estava internado no Hospital de Cascais.

Alpoim Calvão foi o comandante da “operação Mar Verde” na Guiné, em 1970, durante a guerra colonial, e um dos militares com mais condecorações das Forças Armadas, incluindo a Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, a do Comportamento Exemplar (a última, atribuída em 2010) e duas cruzes de guerra, entre outras.

A “operação Mar Verde” foi uma polémica operação da Guiné Conacri. Teve lugar em novembro de 1971 e destinava-se a resgatar prisioneiros de guerra portugueses, destruir armamento do PAIGC e eliminar o Presidente Sékou Touré. Foram salvos 26 prisioneiros, libertados presos políticos do regime, mas provocou 400 baixas do lado da Guiné. Os militares portugueses não conseguiram destruir todo o armamento, como os aviões MIG nem encontrar Touré.

Em entrevista ao semanário Sol, em 2012, Calvão conta que tinha uma carta de Spínola e autorização de Marcello Caetano para conduzir aquela operação, mas, que depois do “clamor” que provocou nas Nações Unidas, o Presidente do Conselho “não foi capaz de assumir as responsabilidades e reconhecer a operação”.

No dia 24 de abril de 1974, era comandante da Polícia Marítima. Fora avisado seis a sete semanas antes para participar na revolução, segundo relato do próprio, mas não o fez por causa do Ultramar. Depois da revolução, pediu licença ilimitada nas Forças Armadas. Participou nos preparativos da Maioria Silenciosa (28 de setembro), no 11 de março, fugiu a pé para Espanha e fundou o Movimento Democrático de Libertação de Portugal (MDLP).

Do outro lado da barricada, o ex-secretário-geral do PCP, Álvaro Cunhal, referia-se a Calvão como “o operacional nº 1 da rede bombista” da contra-revolução.

Natural de Chaves, viveu em Moçambique até aos 16 anos, estudou na Escola Naval e combateu na guerra colonial em África. Em 1963, foi nomeado comandante do 8º destacamento de fuzileiros especiais na Guiné. Depois do 25 de abril, colaborou na contra-revolução, acabou por sair de Lisboa rumo ao Brasil, como tantos outros opositores da revolução. Voltou pela primeira vez a Portugal, em 1978, clandestinamente. Depois, foi administrador da Fábrica de Explosivos da Trafaria. Vivia atualmente entre Cascais e a Guiné, onde tinha uma fábrica de transformação de caju. Fundou na Guiné a Liga de Combatentes das Forças Armadas Especiais Portuguesas na Guiné-Bissau.

“Eles não têm consideração pelos revolucionários que outorgaram a independência e nunca mais lá puseram os pés. (…) Gostam de conhecer o comandante que invadiu a Conacri”, contou ao Sol, sobre o seu relacionamento com a classe política dirigente na Guiné.

Em 2010, recebeu a Medalha de Comportamento Exemplar do comandante do Corpo de Fuzileiros. “Acertámos contas com a justiça”, cuja celeridade “levou 41 anos” a ser feita com a imposição da Medalha de Comportamento Exemplar, declarou na altura o contra-almirante Luís Picciochi, na cerimónia de atribuição da condecoração.

A Marinha emitiu um comunicado, com o título “comandante Alpoim Calvão, fuzileiro sempre”, recordando que foi “o oficial mais condecorado da Marinha, foi dos poucos militares agraciados com a medalha da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, com Palma, que é atribuída por feitos em combate”.

“O comandante Alpoim Calvão distinguiu-se na guerra do ultramar, participando em diversas missões operacionais, tais como as Operações Trovão e Tridente, como Comandante do Destacamento de Fuzileiros Especiais nº 8. Planeou e comandou a Operação Mar Verde que permitiu a libertação de prisioneiros portugueses. Ficou desde sempre ligado à Guiné-Bissau”, lê-se na nota, que acrescenta que o capitão de mar e guerra foi “um brilhante estratega e com elevadas qualidades militares provadas em campanha” e é “uma referência para os fuzileiros, honrando a Marinha e as Forças Armadas Portuguesas”.

O comunicado termina com palavras do escritor Miguel Torga: “Quando chegar a hora decisiva/Procurem-me nas dunas, dividido/Entre o mar e a terra”.

O funeral realiza-se quinta-feira para o cemitério dos Olivais, após a missa de corpo presente no Mosteiro dos Jerónimos. O velório terá início quarta-feira, a partir das 17h. A missa de corpo presente está prevista para as 11h de quinta-feira, e o funeral sairá às 11h45 para o cemitério dos Olivais.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)