A transportadora aérea angolana TAAG vai contrair um empréstimo de 207 milhões de euros para adquirir duas aeronaves Boeing 777-300ER, de uma encomenda de três, segundo autorização presidencial a que a Lusa teve acesso.

De acordo com um despacho presidencial de 01 de outubro, aquela empresa pública angolana pode agora avançar com este financiamento, para o pagamento antecipado da aquisição das duas aeronaves, com entregas previstas para dezembro de 2015 e março de 2016.

Trata-se de um contrato assinado entre a TAAG e a Boeing a 27 de março de 2012, envolvendo a aquisição de três novos aparelhos, o primeiro dos quais já ao serviço da operadora angolana desde junho último.

Com este despacho, assinado pelo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, a TAAG é “autorizada” a celebrar acordos de financiamento com o HSBC Bank, Banco de Negócios Internacional, Afrexim Bank e um sindicato de bancos, nos montantes de 130.199.651 e 131.449.151 de dólares.

Estes valores, o equivalente a 207,2 milhões de euros, “destinam-se ao pagamento antecipado” da aquisição das duas aeronaves ao fabricante norte-americano, lê-se no mesmo despacho.

Estas aeronaves têm capacidade para transportar 225 passageiros em classe económica, 56 em executiva e 12 em primeira classe, possibilitando o acesso a telemóvel e internet a bordo.

A administração da TAAG disse anteriormente que o investimento nesta encomenda visa “consolidar os destinos atuais”, face a “algumas irregularidades no cumprimento de horário” e outras dificuldades logísticas, podendo depois avançar com novas alternativas de destinos.

Esta autorização de financiamento surge na mesma semana em que foi acordado, no Dubai, que a companhia aérea de bandeira angolana vai ser gerida pela congénere Emirates ao abrigo de um acordo de parceria estratégica.

O acordo entre o Ministério dos Transportes de Angola e a administração da Emirates envolve um contrato de gestão de topo da TAAG pela companhia dos Emirados Árabes Unidos. A Emirates passará a nomear o Presidente do Conselho de Administração da TAAG e mais três administradores executivos, de um total de nove elementos.

“Nascerá uma nova TAAG, que se pretende alinhada com os padrões e o estado da arte a nível mundial”, afirmou o ministro dos Transportes angolano, Augusto da Silva Tomás.

Angola vai indicar cinco dos elementos para a administração da transportadora aérea, mas de acordo com informação transmitida no final da assinatura do acordo, a gestão corrente da TAAG será assegurada por uma Comissão Executiva composta pelos administradores executivos nomeados pela Emirates para as áreas Comercial, Operacional, Financeira e Administrativa.

Uma “aliança” que segundo o ministro angolano levará a TAAG “às melhores práticas, formação, ‘know-how’, tecnologia e experiência capaz de potenciar os gestores angolanos”.

“Damos um passo decisivo rumo à transformação que se pretende a nível da governação e gestão da companhia”, afirmou o ministro Augusto da Silva Tomás.