Desde o verão, mais de 200 pessoas já ligaram para o 808242424 com medo do ébola. O número foi avançado ao Observador por Sérgio Gomes, coordenador da linha Saúde 24.

“Desde o verão recebemos entre 200 a 300 chamadas de pessoas com sintomas, num universo total de 180 mil chamadas”, revelou o responsável, acrescentando que a linha telefónica “não tem tido muitas chamadas, até porque não haverá muitas pessoas com esses sintomas. Além do mais são sintomas que as pessoas associam muitas vezes a outro tipo de situação e não ligam”.

Só no dia de hoje, segunda-feira, até ao início da noite, foram registadas sete chamadas, “das quais só três é que tinham sintomas, mas não tinham critério epidemiológico [ter estado na Libéria, Serra Leoa, Guiné-Conacri e Congo ou contactado com um infetado]. As outras quatro foram pedidos de informação sobre o risco de contágio sobretudo por parte de quem vai viajar”.

Estas sete chamadas não chegam a perfazer 0,5% do total de 1.600 chamadas recebidas até ao início da noite pela linha Saúde 24.

Ainda esta segunda-feira, e depois de uma doente com suspeita de ébola ter chegado ao Hospital de S. João, no Porto, pelo próprio pé, este domingo, o diretor geral de saúde, Francisco George, veio repetir que o procedimento correto passa por ligar para a linha Saúde 24 caso uma pessoa tenha viajado para um dos países da África ocidental mais afetados pelo ébola ou estado em contacto direto com alguém infetado e comece a sentir sintomas como febre súbita, vómitos, diarreia e perda de sangue.