A Assembleia Geral eleitoral, marcada para as 14h30, vai pôr fim a quatro meses de indefinição, depois de Mário Figueiredo ter sido reeleito para um segundo mandato a 11 de junho, num ato que o Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol anulou, por considerar que as candidaturas de Fernando Seara e Rui Alves tinham sido excluídas indevidamente.

Dando cumprimento uma determinação do CJ, o presidente da Mesa da Assembleia Geral da Liga, Carlos Deus Pereira, marcou novo ato eleitoral, aberto a novas candidaturas e sem nenhuma das anteriores, uma vez que a maioria dos clubes subscritores daquelas listas revogou o seu apoio.

Perante esta situação, 28 clubes profissionais, 16 da I Liga e 12 da II, decidiram apoiar a candidatura de Duque, da qual se demarcaram os restantes oito, nomeadamente o Sporting, que recentemente aprovou em AG uma ação judicial contra o antigo administrador da SAD, por atos de gestão danosa.

A lista de Duque integra José Mendes, vice-reitor da Universidade do Minho, para a presidência da Mesa da AG, Carlos Carvalho, para presidência do Conselho Fiscal, Gonçalo Lobo Xavier, para a presidência da Comissão Disciplinar, e Américo Joaquim Esteves, para a Comissão Arbitral.