O peditório, que decorre até domingo em todo o país, “é a grande fonte de angariação de fundos da Liga Portuguesa Contra o Cancro e os recursos que estamos a pedir aos portugueses vão servir para combater o cancro”, disse à agência Lusa o presidente da LPCC.

Francisco Cavaleiro de Ferreira sublinhou que o trabalho da Liga “é cada vez mais indispensável”, devido ao aumento do número de casos, e que “nunca são demais” os recursos para combater esta doença.

Dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) referem que os casos de cancro aumentaram em Portugal, entre 2002 e 2012, e ultrapassaram os 23% no total das causas de morte.

Só em 2012, morreram uma média de 70 pessoas por dia em Portugal por tumores malignos e, em 10 anos, a taxa bruta de mortalidade aumentou 14,1%.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Um relatório sobre doenças oncológicas da Direção-Geral da Saúde (DGS) estima que os casos de cancro em Portugal deverão aumentar entre 12 a 15% por ano, até 2030.

Enquanto em 2010 a incidência do cancro era pouco superior a 40 mil casos, em 2020 atingirá os 50 mil, refere o relatório.

O valor angariado no peditório destina-se a financiar as quatro áreas de intervenção da Liga: Apoio ao doente oncológico e sua família, prevenção primária e secundária (rastreios) e apoio à formação e investigação em oncologia.

Em 2012, o peditório nacional da Liga angariou 1,560 milhões de euros, tendo este valor crescido no ano passado, segundo o presidente da Liga, que não precisou o valor arrecadado.

“Felizmente temos contado com o extraordinário apoio do povo português que é de uma solidariedade impressionante. No ano passado registámos um crescimento e temos a expetativa de registarmos um novo crescimento este ano”, adiantou Francisco Cavaleiro de Ferreira.

Salientou ainda que o peditório não é apenas uma recolha de fundos, essencial para a atividade da Liga, mas também “uma manifestação do envolvimento das pessoas nesta causa e da capacidade do povo português para dar e ajudar os outros”.