Um retrato visual de quatro minutos sobre o artista Max Dean marca a abertura dos prémios de cinema para filmes sobre arte, do festival Temps D’Images, esta quinta-feira, às 18h00. Até dia 19 de novembro vão passar pelo Cinema Ideal, em Lisboa, 38 filmes de todo o mundo, sempre em duas sessões diárias, às 18h00 e às 20h00.

Na programação deste ano está prevista a exibição de filmes sobre artistas plásticos como Sophie Calle, Louise Despont, Max Dean, Erwin Wurm, Picasso, e outros sobre música, como Rosetta Tharpe, Richard Strauss, o som motown de Marvin Gaye, passando por Stevie Wonder e Suzie Quatro.

Sábado às 20h00, por exemplo, exibe-se “A Life Exposed – Robyn Beeche”, sobre a transformação da fotógrafa australiana que nos anos 80 esteve no centro da contra-cultura, em Londres, e que mudou a sua vida drasticamente depois de uma ida ao festival indiano Holi.

À mesma hora, mas do dia seguinte, passa “Les Jambes de Saint Pierre”, sobre o pintor e fotógrafo Pierre Molinier, que foi encontrado sem vida, seminu, morto com uma bala na cabeça, na cama do seu quarto. O documentário mostra a vida desta enigmática personagem, através da exploração de tudo o que compõe a realidade de 1976.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O realizador português Alberto Seixas Santos, os fotógrafos Jorge Molder, Robyn Beeche e Pierre Molinier, os arquitetos Manuel Taínha e Carlo Scarpa também estão em foco nalguns dos 14 filmes portugueses selecionados para exibição. Do realizador Filipe Araújo, por exemplo, será possível ver “A Sétima Vida de Gualdino“, documentário que venceu a primeira edição do MUVI, em setembro. O filme sobre o baterista Gualdino passa no sábado, às 18h00.

O festival termina na quarta-feira, às 21h30, com a cerimónia de entrega de prémios nas categorias de melhor filme, melhor filme português, filme que mostra a importância da arte na sociedade de forma mais original e duas menções honrosas. O bilhete para cada sessão custa quatro euros, havendo um passe geral único por 35 euros.