Miguel Macedo revelou “elevação” e “desprendimento” e teve uma atitude que “contrasta e muito com outros colegas do Governo”, considerou este domingo José Sócrates, reagindo à demissão do ministro da Administração Interna.

“Ganhou uma nova autoridade política muito diferente daquela que ele se queixa de não ter”, disse o antigo primeiro-ministro no seu espaço de opinião na RTP. A demissão de Macedo deixa uma “herança” ao Governo, disse José Sócrates, numa referência a outros ministros que na sua opinião deveriam demitir-se e não o fizeram. Sócrates disse ainda que este é “o momento” para Passos Coelho proceder a uma remodelação governamental, uma vez que “tem vários problemas, na Justiça, na Educação…”

O comentador falou diretamente para Paula Teixeira da Cruz, criticando-a pelas declarações que esta fez relativamente ao caso dos vistos Gold, quando disse que a impunidade tinha acabado.

“A ministra da Justiça lembrou-se de dizer que a impunidade tinha acabado, fazendo ela própria o julgamento das pessoas sobre matérias que nem ela nem ninguém está em condições de dizer que cometeram esses atos”, afirmou.

Sócrates criticou ainda Paula Teixeira da Cruz por falar em suspeitas de sabotagem no Citius. “Há muitos ministros que assumem mesmo a incompetência ou o desleixo ou a negligência dos seus funcionários e não se escudam atrás deles”. O antigo primeiro-ministro quis deixar um recado à ministra da Justiça: “É preciso dizer à senhora ministra que este caso é com ela. Se a senhora ministra fala em impunidade, quero recordar que a única impunidade que tenho visto é a impunidade da responsabilidade política”.