O ex-ministro para a Escócia e deputado trabalhista Jim Murphy é o novo líder do Partido Trabalhista Escocês, eleito este sábado com 55,77% dos votos. Murphy estava a concorrer com os escoceses Neil Findlay e Sarah Boyack para sustituir Johann Lamont, que se demitiu no passado mês de outubro. Kezia Dugdale foi eleito novo vice-líder do partido, substituindo Anas Sarwar,

“Este é um novo começo para o Partido Trabalhista escocês. A Escócia está a mudar e o partido também. Tenho ambições para o meu partido porque tenho ambições para o meu país”, declarou Murphy, de 47 anos, que começou por dizer estar perante “a realização de um sonho”, segundo o relato da BBC.

O até aqui deputado em Westminster foi uma das personalidades mais ativas durante a campanha pelo “não” da independência da Escócia, percorrendo cem cidades em cem dias. O novo líder também talhou como objetivo vencer o Partido Nacionalista Escocês, nas eleições de 2016 para o Parlamento de Edimburgo.

Murphy tem também defendido o combate à pobreza e à desigualdade e reiterou, este sábado, que o seu propósito e o propósito do partido que agora vai liderar é “acabar com esse tipo de desigualdade de uma vez por todas”. “Dá-me raiva que as crianças que vêm de famílias mais pobres tenham três vezes mais dificuldades em obter bons resultados escolares, do que aquelas que vêm de famílias prósperas”, acrescentou, defendendo que a medida mais eficaz de combate à pobreza é criar uma economia de sucesso, apoiando empresas e criando empregos.

A missão do Partido Trabalhista é, frisou Murphy, não apenas unir o país, mas “construir uma nação baseada na justiça social”.