Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pelo menos 20 pessoas foram detidas num dos maiores centros comerciais dos Estados Unidos, o Mall of America, em Bloomington, no Minesota, quando se encontravam numa manifestação contra aquilo que acreditam ser a discriminação racial da polícia norte-americana. Os protestantes lembraram as mortes de Michael Brown e Eric Garner, assassinados pela polícia de Ferguson e de Nova Iorque, respetivamente, por, alegadamente, não terem respeitado as ordens dos agentes.

Os manifestantes do movimento “Black Lives Matter” (“As Vidas dos Negros Importam”, em português) gritaram palavras de ordem de “sem justiça, não há paz”, em reação às decisões dos tribunais de não acusarem formalmente os agentes que dispararam sobre Brown e Garner.

Além de terem exibido cartazes com as palavras “Mãos no ar, não disparem”, os manifestantes deitaram-se no chão, fingindo-se de mortos, numa referência clara à morte dos dois jovens de cor negra.

A administração do Mall of America tentou, por diversas vezes, convencer os manifestantes a abandonarem o centro comercial, mas só a intervenção da polícia conseguiu dispersar a multidão.

Agora, os procuradores pretendem avançar com a instauração de processos. “Eles desrespeitaram a lei deliberadamente. Estiveram envolvidos numa situação que poderia ter sido muito perigosa”, justificou a procuradora Sandra Johnson.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR