Acidentes de Aviação

Tony Fernandes. O empresário da Air Asia que tem ascendência portuguesa

Tony Fernandes é um conceituado empresário na Malásia. Formado em Londres, comprou a Air Asia por uma ninharia e transformou-a na primeira companhia low cost do continente. O pai era de Goa.

Tony Fernandes comprou a Air Asia em 2001

AFP/Getty Images

O dono da Air Asia, a companhia aérea cujo avião desapareceu este domingo na Indonésia, tem ascendência portuguesa. Tony Fernandes nasceu a 30 de abril de 1969 em Kuala Lumpur, Malásia, de onde também é originária a mãe. O pai, no entanto, é natural de Goa, na Índia, de onde vem o apelido luso. Empresário de sucesso, estudou na London School of Economics e chegou a trabalhar com Richard Branson, o fundador da Virgin Records, na capital do Reino Unido.

Segundo o jornal britânico The Telegraph, “sonhar o impossível” é o seu lema de vida. E sempre o levou à letra, agarrando-se a outra velha máxima que também o acompanha desde que deu os primeiros passos no mundo dos negócios: “nunca aceitar ‘não’ como resposta”. Sonhava desde cedo em criar a primeira companhia aérea de baixo custo na Ásia, escreve o Telegraph, mas, no entanto, a carreira do 28º homem mais rico da Malásia, na lista da Forbes, não começou na indústria da aviação.

Apesar da naturalidade malaia e da ascendência indiana, Fernandes teve uma educação britânica. Estudou no Colégio interno de Epsom, em Surrey, no sudeste inglês, e depois formou-se em revisor oficial de contas numa das mais prestigiadas universidades londrinas, a London School of Economics. Começou a sua carreira, nos anos 80, na indústria da música enquanto responsável pelo controlo financeiro da Virgin Communications to Warner Music International. Curiosamente, trabalhou com Richard Branson, o conhecido empresário britânico do grupo Virgin, detentor da companhia aérea Virgin Atlantic Airways.

Transformou a Air Asia na maior companhia low-cost da Ásia

Com a indústria da música a debater-se para sobreviver aos desafios da internet e da pirataria de discos, Anthony Fernandes decidiu mudar de ramo e ir atrás do seu sonho antigo. Em 2001, o sonho concretizou-se: com 37 anos de idade comprou a Air Asia, uma companhia aérea detida pelo governo da Malásia que enfrentava sérias dificuldades financeiras. Tão sérias que a empresa, que nesse momento se resumia a uma frota de dois aviões, foi vendida a Fernandes por um preço simbólico (menos de um dólar).

Tony Fernandes não tinha qualquer experiência de gestão de uma companhia aérea, mas conseguiu mesmo assim transformar em pouco tempo aquela companhia aérea numa empresa de aviação low cost nos termos que é conhecida no mundo ocidental. A Air Asia, da qual é presidente executivo, tornou-se dessa forma a primeira companhia aérea de baixo custo do continente asiático.

O desaparecimento ainda por explicar do voo QZ8501 é o primeiro incidente grave registado pela Air Asia em 13 anos de actividade. O avião é operado pela AirAsia Indonesia, uma filial da Air Asia, detida em 49% pela empresa mãe.

Foi o negócio da sua vida. Em apenas uma década, a Air Asia passou de operar apenas dois aviões para movimentar um total de 30 milhões de passageiros em todo o mundo, com um total de 86 aeronaves ao seu dispor. Mas não ficou satisfeito. Depois dos aviões passou para o futebol. O milionário malaio de ascendência indiana e portuguesa, hoje com 45 anos, chegou a comprar há três anos o clube de futebol londrino Queens Park Rangers. Participou ainda no reality show The Apprentice Asia, onde são avaliadas as propostas de negócio de jovens empreendedores. O prémio era trabalhar com o dono da Air Asia.

Muito ativo na rede social Twitter, o milionário e presidente executivo (CEO) da Air Asia, tem estado a divulgar informações sobre o acidente aéreo deste domingo, assim como a transmitir mensagens de apoio aos familiares dos passageiros:

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)