Cinco atletas cabo-verdianos receberam, através da Solidariedade Olímpica, uma bolsa olímpica no valor de 816 euros mensais para preparar os Jogos Olímpicos Rio2016, confirmou a presidente do Comité Olímpico Cabo-verdiano (COC).

Segundo Filomena Fortes, Cabo Verde candidatou-se a 13 bolsas, mas só foram atribuídas cinco, no atletismo (duas), judo (duas) e taekwondo, para preparar os próximos Jogos Olímpicos, que acontecem no Rio de Janeiro, em 2016.

De acordo com a mesma fonte, os atletas beneficiados são Ruben Sança, cabo-verdiano radicado nos Estados Unidos, o judoca Mário Camões e o taekwondista Sofia Reis, com um montante de mil dólares mensais (816 euros).

As outras duas beneficiadas são a velocista Lidiane Lopes e a judoca Edysângela Moniz, com direito um estágio no Centro de Alto Rendimento em Rouen, em França.

Apesar de conseguir apenas cinco das 13 bolsas a que se candidatou, a presidente do COC disse que isso já é “muito bom” para Cabo Verde, porque já tem pré-garantidos cinco atletas nos Jogos Olímpicos de 2016.

“É muito bom para Cabo Verde. Fechamos o ano de 2014 com chave de ouro e com a possibilidade de termos cinco atletas nos Jogos Olímpicos de 2016”, referiu a dirigente.

De acordo com Filomena Fortes, “é a primeira vez que Cabo Verde ganha cinco bolsas da Solidariedade Olímpica ao mesmo tempo”, o que “é muito bom para o desporto do país e para os atletas, que vão sair do sufoco financeiro”.

A ex-presidente da Federação Cabo-verdiana de Andebol (FCA) disse que, além das modalidades confirmadas, o boxe ficou de fora porque o atleta indicado e que já estava a treinar em França teve de regressar a Cabo Verde por problemas de saúde.

Filomena Fortes indicou que as negociações ainda estão abertas, pelo que o país vai tentar receber mais alguma bolsa olímpica.

“Esta é uma questão interna, mas Cabo Verde quer sempre conquistar mais”, almejou.

Os atletas vão começar a sua preparação já no mês de janeiro, altura em que a montante começará a ser disponibilizado, e em cada três meses deverão enviar um relatório de treino à Solidariedade Olímpica, que, entretanto, vai estar sempre a acompanhar o seu desempenho.

Filomena Fortes informou ainda que o COC está a aguardar os planos de atividades das federações desportivas cabo-verdianas para poder ir buscar mais verbas para outros atletas participarem em competições internacionais.