Rádio Observador

Crime

Serviços prisionais abrem investigação e identificam agressor de recluso no Linhó

Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais informou ter identificado o eventual agressor do recluso que morreu domingo no estabelecimento prisional do Linhó.

Arma do crime foi um "objeto perfurante de fabrico artesanal"

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais informou nesta segunda-feira ter identificado o eventual agressor do recluso que morreu domingo no estabelecimento prisional do Linhó, após uma troca de agressões no pátio, e encontrado a arma do crime. Em nota enviada à agência Lusa, a Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) avançou que foi aberto um “processo de averiguações interno a cargo do Serviço de Auditoria e Inspeção”, que é coordenado pelo Ministério Público.

Segundo a mesma nota, a arma do crime foi um “objeto perfurante de fabrico artesanal” que serviu para matar o homem de 27 anos, natural de Angola, preso por oito anos pelos crimes de burla, falsificação de documentos, furto e roubo. De acordo com os serviços prisionais, o incidente começou pelas 10h30 de domingo no pátio da ala B da prisão do Linhó, em Sintra, com “uma súbita troca de agressões entre um reduzido número de reclusos, de que resultaram ferimentos num dos intervenientes”.

O ferido foi levado para a enfermaria do estabelecimento prisional por dois companheiros e por um elemento da vigilância, onde foi assistido pelo pessoal de enfermagem que se encontrava de serviço e pelo INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica), que foi chamado à prisão, mas que só confirmou o óbito. Ainda de acordo com os Serviços Prisionais, “é prematuro avançar com a associação da ocorrência a qualquer facto”, enquanto ainda se encontra a decorrer o processo de averiguações.

Segundo a Direção Geral, o número de guardas prisionais “tem sido uma preocupação” dos serviços, tendo 238 pessoas concluído o curso de formação em outubro de 2012, e tendo sido aberto no ano passado um procedimento concursal para formação específica na categoria de guarda prisional, com vista ao recrutamento de mais 400 novos guardas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igualdade de Género

Género: igualdade ou ideologia?

Diogo Costa Gonçalves

Se estamos perante uma (nova) visão antropológica, porquê qualificá-la como ideologia? Porque tal ideia pré-concebida vive em constante tensão com a realidade empírica, começando pela própria biologia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)