Rádio Observador

Fiscalidade Verde

Guerra dos sacos de plástico. Ministério alertado de que comerciantes compraram grandes quantidades

232

Ministério diz que comerciantes compraram grandes quantidades de sacos antes da lei entrar em vigor, o que impede escoamento do stock. Prazo para o pagamento de dez cêntimos por saco mantém-se.

Consumidores vão ter de pagar 10 cêntimos por saco a partir de 15 de fevereiro

Getty Images

O imposto de oito cêntimos mais IVA que vai começar a ser aplicado sobre os sacos de plástico, a partir do dia 15 de fevereiro, voltou esta terça-feira a estar debaixo de fogo.

Depois das críticas das associações de restauração face ao potencial desperdício, o Ministério do Ambiente alerta agora para o facto de “algumas empresas do setor” terem adquirido sacos em grandes quantidades ao preço praticado até ao final do ano (sem imposto), o que lhes impede agora de escoar o produto dentro do tempo previsto. Perante a situação criada, o Governo sugere que comerciantes acordem uma forma de “devolverem” o excedente aos fornecedores.

“O Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia teve conhecimento, nos últimos dias e através de associações de hotelaria e restauração, que algumas empresas destes setores adquiriram, antes do final de 2014, quantidades significativas de sacos plásticos leves com condições comerciais extraordinárias, sob a expectativa de os mesmos poderem ser disponibilizados sem contribuição após a entrada em vigor da Lei da Fiscalidade Verde”, disse o Ministério em resposta ao Observador.

O Ministério do Ambiente avançou ainda que está a concertar uma posição sobre a matéria com a secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais “com vista a enquadrar as preocupações manifestadas pelas associações de hotelaria e restauração na sequência da aquisição excessiva de sacos plásticos leves”. Mas não prevê o alargamento do prazo para a entrada em vigor da lei. A meta do dia 15 de fevereiro mantém-se.

O Ministério do Ambiente e a Secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais estão a analisar a questão, de forma a que, no dia 15 de fevereiro, todos os sacos plásticos leves disponibilizados aos consumidores já repercutam a contribuição”, afirma o Ministério.

A resposta do Ministério tutelado por Jorge Moreira da Silva surge um dia depois de a Associações Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo (APHORT) ter criticado publicamente aquele imposto por resultar em “danos ambientais” e num prejuízo de “milhares de euros” para as empresas que não irão conseguir escoar o stock de sacos já adquiridos. Ao Observador, fonte do Ministério acrescentou que, além da APHORT recebeu queixas também da AHRESP (Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal).

O Ministério do Ambiente sublinha ainda que o diploma que está em vigor desde o primeiro dia de janeiro já previa um período de transição a dois tempos para evitar situações similares. Perante as queixas das associações, nomeadamente no que diz respeito ao impacto ambiental que teria a destruição de elevadas quantidades de plásticos, o Ministério sugere agora que os comerciantes que tenham adquirido quantidades significativas de sacos possam “acordar com os seus fornecedores mecanismos para a devolução dos mesmos”.

No comunicado divulgado a 31 de dezembro, o Governo previa que a entrada em vigor desta norma, inserida no quadro da reforma da fiscalidade verde, fosse antecedida de um “período transitório” dividido em duas fases. Assim, os produtores e importadores só passavam a cobrar o imposto aos comerciantes a partir do dia 31 de janeiro, e os consumidores passavam a adquirir os sacos de plástico com o custo acrescido de 8 cêntimos mais IVA a partir de 15 de fevereiro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)