O Conselho de Segurança da ONU condenou nesta terça-feira o ataque dos rebeldes huthi contra o palácio presidencial do Iémen e exprimiu o seu apoio ao chefe de Estado iemenita, Abdrabuh Mansur Hadi. Numa declaração, adotada por unanimidade, o órgão refere que o presidente do Iémen “é a autoridade legítima” e que “todas as partes e todos os atores políticos do Iémen devem apoiar” Abdrabuh Mansur Hadi, o primeiro-ministro, Khalid Bahah, e o seu Governo, para que possam “continuar a levar o país pelo caminho da estabilidade e da segurança”.

Os 15 países-membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas exigiram um cessar-fogo total e o regresso ao diálogo, mas não ameaçaram com sanções. Os membros da milícia xiita conhecidos como huthis atacaram hoje o complexo presidencial e a residência de Hadi, na capital, Sana. O Governo presidencialista de Hadi tem sido um aliado-chave dos Estados Unidos, permitindo a Washington continuar com os ataques, no Iémen, contra militantes da organização terrorista Al-Qaida.