Faltam cinco meses para o verão: Já começou a intensificar o seu plano de treino? As três vezes que corre por semana passaram a diárias? Talvez não seja a melhor ideia. Um estudo da Universidade Americana de Cardiologia concluiu que aqueles que correm menos, mais pausadamente, têm uma maior esperança de vida. Mas espere antes de se sentar no sofá. Correr menos significa correr até três vezes por semana, num total de 2h40.

Para chegarem a estas conclusões, os investigadores estiveram 12 anos a analisar 1098 indivíduos, entre os corredores e saudáveis sedentários.

As conclusões? Aqueles que corriam de forma (demasiado) intensiva, tanto em quantidade como em velocidade, têm a mesma esperança média de vida que os que não correm, enquanto o grupo que correu de forma moderada apresentou os mais baixos valores de taxa de mortalidade.

Peter Schnohr, cardiologista no Hospital de Copenhaga, deixa um alerta aos praticantes mais ativos:

“Quando praticada durante anos, [a corrida intensiva] pode levar a problemas de saúde, principalmente no sistema cardiovascular. Há uma associação em forma de U entre a corrida e a mortalidade que sugere que pode haver um limite para a dose de exercício que otimiza os benefícios para a saúde.”

Esta associação tornou-se possível durante o estudo, que recolheu dados importantes: ao longo dos 12 anos morreram 28 corredores e 128 sedentários. Os corredores que morreram eram mais novos, tinham menor tensão cardíaca, explica o Telegraph.

O médico dinamarquês que liderou o estudo deixou um conselho: “Se o seu objetivo é diminuir o risco de mortalidade e aumentar a esperança de vida, correr algumas vezes por semana num ritmo moderado é uma boa estratégia. Algo a mais do que isso é totalmente desnecessário – e pode ser prejudicial.”