“Fazemos questão de fazer sabão a partir da vossa gordura. E estamos prontos a negociar utilizar as vossas cinzas como fertilizante“. É este o significado dos dois balões que ladeiam o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, num cartoon publicado sexta-feira num jornal de esquerda na Grécia. O governo alemão já veio censurar o cartoon, que tem como título “As negociações já começaram“, numa alusão ao processo negocial que decorre por estes dias em preparação da reunião do Eurogrupo de segunda-feira.

“Serei sempre um defensor do princípio da liberdade de expressão, mas numa nota pessoal devo dizer que considero esta caricatura ofensiva e o cartoonista devia ter vergonha”, afirmou o porta-voz do Ministério das Finanças da Alemanha, Marting Jaeger, questionado pelos jornalistas sobre o cartoon publicado no Avgi, um jornal grego de esquerda, que apoiou o partido Syriza nas eleições de janeiro. Martin Jaeger resumiu em apenas uma palavra a sua opinião sobre o cartoon: “vil“.

BeFunky_avgi1_3_1-thumb-large.jpg

Imagem: Kathimerini

No desenho, Wolfgang Schäuble veste um uniforme nazi (Wehrmacht) e compara a situação da população grega com o destino de muitos presos em campos de concentração.

Segundo o jornal grego Kathimerini, confrontado com a crítica do porta-voz do governo alemão, Tasos Anastasiou, recusou comentar. No entanto, o cartoonista terá dito anteriormente, questionado pela comunidade judaica de Atenas, que “o cartoon não tem como objetivo fazer as pessoas rir. O trabalho contém muita dor, muita raiva e pretende exatamente o contrário: lembrar que conceitos como os sub-humanos e a supremacia da raça Ariana, infelizmente, não pertencem ao passado”.

“Não houve intenção de provocar a memória histórica nem de desrespeitar o acontecimento de maior brutalidade e que causa maior repulsa na História moderna, o Holocausto”, afirmou Tasos Anastasiou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Alexis Tsipras distancia-se do cartoon

A publicação do cartoon de Schäuble está a criar uma grande polémica numa altura sensível para a Grécia já que acontece esta segunda-feira uma reunião do Eurogrupo que pode ser decisiva para resolver o impasse que se criou desde que o Syriza venceu as eleições de 25 de janeiro e liderou a formação de governo de coligação com os nacionalistas Gregos Independentes.

O primeiro-ministro, Alexis Tsipras, foi questionado pela revista alemã Stern sobre o Cartoon e o responsável distanciou-se, apesar de este jornal ter sido um grande apoiante da ascensão do Syriza. “Foi infeliz, não partilho do conteúdo” do cartoon, disse Alexis Tsipras, à publicação alemã.

(artigo corrigido com a tradução correta de uma das frases do cartoon)