Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Spring forward”. Traduzindo literalmente, a frase é “Avance com a primavera”. E foi esta a frase que a Apple escreveu no convite que, esta sexta-feira, enviou à imprensa, convidando-a a estar presente num evento a 9 de março. Para quê? Não se sabe, portanto, especula-se. Ou melhor, escreve-se que a empresa norte-americana poderá anunciar o lançamento do Apple Watch, relógio que apresentou ao público em setembro.

O evento está marcado para o Yerba Buena Center, no Teatro de Arte de San Francisco, cidade norte-americana. A data escolhida, aliás, parece não ser coincidência: tudo acontecerá um dia antes de, nos EUA, se adiantarem os relógios uma hora, para o horário de verão.

Tim Cook, diretor executivo da Apple, revelou, em janeiro, que o novo produto seria colocado à venda em abril. O líder da empresa afirmou ainda que o desenvolvimento do smartwatch estava, na altura, a cumprir os prazos. O relógio, aliás, já constou em alguns artigos de edições de fevereiro em algumas revistas norte-americanas, como a Vogue ou a New Yorker, lembrou a Mashable.

AppleWatchInvitation

Parte do convite para o evento, a 9 de março, enviado pela Apple à imprensa.

 

Tal e qual qualquer véspera de evento da Apple, as perguntas não tardaram a surgir. A começar pelo preço. O líder da empresa já indicou há meses que a versão básica do relógio custaria à volta de 350 dólares, ou seja, algo como 310 euros à taxa de câmbio atual. A duração da bateria é outra questão sobre a qual se tem especulado — diz-se que não fugirá muito das 2h30 de autonomia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A CNBC, estação televisiva norte-americana, suspeia também que o evento poderá servir para a Apple apresentar um novo serviço de partilha de música, por streaming.

Algumas coisas, porém, já são certas: o Apple Watch será disponibilizado ao público em dois tamanhos, três coleções (Apple Watch, Apple Watch Sport e Apple Watch Edition) e cinco braceletes distintas.