O Índice de Volume de Negócios na Indústria apresentou, em termos nominais, uma queda homóloga de 4,4% em janeiro, após ter aumentado 1,2% em dezembro do ano passado, divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo o INE, este resultado “estará parcialmente associado a um efeito de dias úteis tendo-se observado menos um dia útil em janeiro face ao correspondente mês de 2014”.

Em termos de mercado nacional, este apresentou uma diminuição de 4,9% em termos homólogos e uma redução de 0,7% em dezembro.

Já o índice relativo ao mercado externo diminuiu 3,8%, com um aumento de 4,1% em dezembro.

Para o instituto, o principal contributo para a evolução do índice total foi dado pelo índice do agrupamento de Energia, “que intensificou a redução homóloga em 8,5 pontos percentuais (p.p.), em resultado de uma diminuição de 9,1% em janeiro”.

Já os agrupamentos de Bens de Consumo e de Bens Intermédios passaram de aumentos de 3,1% e de 2,0%, respetivamente, em dezembro, para diminuições de 5,2% e de 4,4% em janeiro.

Relativamente aos índices de emprego e de remunerações, estes aumentaram 1,4% e 0,6% em janeiro, respetivamente, enquanto o índice de horas trabalhadas diminuiu 0,5% (redução de 1,1% em dezembro).

Em termos mensais, os índices de emprego e de horas trabalhadas apresentaram variações de 0,2% e de 8,2% em janeiro (-0,2% e 7,5% em idêntico período de 2014, pela mesma ordem).

O índice de remunerações registou uma diminuição mensal de 22,3% (variação de -22,8% em janeiro de 2014).

O objetivo do Índice de Volume de Negócios na Indústria é mostrar a evolução do mercado de bens e serviços na indústria e a sua desagregação entre mercado nacional e externo.

Os índices são obtidos tendo por base o Inquérito Mensal ao Volume de Negócios e Emprego na Indústria, realizado essencialmente por via eletrónica (e-mail) junto de unidades estatísticas selecionadas a partir das empresas com sede no território nacional cuja atividade principal se enquadre na indústria.