Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É um fenómeno que costuma acontecer entre a música e os miúdos, com ouvidos de criança e mentes imberbes. Sobretudo as que não têm na cabeça o inglês como língua materna, a mesma que predomina, bastante, na produção musical atual. Simplificando: as palavras de uma frase cantada em inglês podem soar a outras, completamente distintas, de outra língua qualquer. Em castelhano, pelos vistos, acontece muito, e um jovem espanhol teve uma ideia — teatralizar alguns exemplos.

Chama-se Ricky e já há pouco menos de um ano criara um canal no YouTube para, na famosa rede de partilha de vídeos, para começar a publicar os vídeos que filmava. Nunca tivera particular sucesso, pelo menos comparando com o exemplo que, na passada semana, montou com os amigos e o fez galopar na montanha da popularidade em Espanha. “Parodiando Canciones” é o nome do vídeo que, em poucos dias, ultrapassou os 7 milhões de visualizações no Facebook, rede social na qual foi partilhada por mais de 190 mil pessoas.

No vídeo, que dura quase dois minutos e meio, Rick, com a ajuda de alguns amigos, brinca com as letras das canções de artistas como Michael Jackson, Queen ou Coldplay que, em inglês, soavam a algo completamente distinto em castelhano. Agora parece estar lançado para o sucesso. “Comecei a twittar e a fazer vídeos no Vine. Depois disseram-me para abrir um canal no You Tube, mas nenhum vídeo tinha tido tanto sucesso como este”, confessou ao Verne, um blogue do diário El País.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Este fenómeno até tem um nome — mondegreen. O termo surgiu em 1945, quando um artigo de Sylvia Wright, uma escritora norte-americana, contou que, em pequena, decorou a parte de uma canção como “Lady Mondegreen”, qualquer coisa como Senhora Mundo Verde, numa tradução literal, quando, na verdade, a letra dizia “laid him on the green” — o equivalente a “deitou-se no verde”, em português.

A definição ficou e, hoje, dá nome ao fenómeno que acontece pelo meio do processo auditivo que, basicamente, se concretiza em dois passos, como explica o El País. No primeiro, a perceção auditiva do ouvido humana capta as ondas sonoras e, no segundo, o cérebro descodifica os sons para lhes atribuir um significado. “Os mondegreens ocorrem quando, entre o som e o significado, a comunicação é interrompida. A pessoa ouve a mesma informação acústica, mas o cérebro não a interpreta da mesma maneira”, explicou Maria Konnikova, num artigo publicado no New York Times.