O PS não vai desistir de questionar Passos Coelho sobre a suposta existência de uma bolsa VIP de contribuintes. O líder parlamentar socialista disse esta sexta-feira à tarde nas jornadas parlamentares do partido que os socialistas não estão satisfeitos com as justificações que Passos Coelho deu na quarta-feira no debate quinzenal.

“Não fiquem ilusões porque o PS, a todos os níveis, no Parlamento e fora do Parlamento, quererá saber exatamente o que se passa com a chamada bolsa de contribuintes de VIP. O primeiro-ministro respondeu-me que não existia, mas resguardou-se sempre num comunicado das finanças e dos responsáveis administrativos, mas agora há um dirigente sindical a dizer que há mesmo essa lista VIP e que foi entregue pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais”, referiu Ferro Rodrigues.

Para o socialista, há uma contradição entre o que disse o primeiro-ministro no debate quinzenal e as acusações que foram feitas por um sindicato do setor que denunciou a existência de uma lista de contribuintes VIP. “É muito grave o que se passou”, disse.

“Não é uma questão judicial, é uma questão política. O que o primeiro-ministro disse, para nós, não chega”, rematou, não explicando no entanto que iniciativa vai o partido tomar.

No discurso de abertura das jornadas parlamentares, que começaram mornas e com alguns deputados ausentes, o líder parlamentar socialista, rematou ao Governo de Passos Coelho. Usou um trocadilho de palavras para ironizar com o destino que o primeiro-ministro vai ter: “As políticas que foram ensaiadas, este modelo de estar de joelhos perante a troika, de procurar através do empobrecimento chegar a uma certa competitividade, falhou, a austeridade fracassou. A direita está em morte lenta, mas segura”.

Além do ataque ao Governo, Ferro, nos improvisos que fez ao discurso, recuperou o assunto polémico da falta de pagamento das contribuições à Segurança Social de Passos Coelho. Costa já tinha dado o assunto por encerrado, mas Ferro Rodrigues não resistiu a deixar a crítica. Quando falou das dificuldades do sistema, lembrou “tantas pessoas que estão anos sem cumprir as suas obrigações para o sistema e nada lhes acontece”.

As jornadas parlamentares do PS decorrem esta sexta-feira e sábado em Vila Nova de Gaia e têm como objetivo a discussão sobre o crescimento da economia e a inclusão social.