Israel

Likud, de Benjamin Netanyahu, volta a vencer eleições em Israel

141

Vitória inesperada do Likud reconduz Benjamin Netanyahu no cargo. Sondagens apontavam para vitória da União Sionista ou para empate entre os dois partidos.

E vão quatro para Netanyahu

MENAHEM KAHANA/AFP/Getty Images

O Likud, partido do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, venceu as eleições legislativas em Israel. Às 6h45 (hora de Lisboa), mais de 96% dos votos já foram apurados e os resultados apontam para que este partido consiga entre 29 e 30 lugares parlamentares, face aos 24 que a União Sionista deverá alcançar.

Trata-se de uma vitória surpreendente para o partido de Netanyahu, uma vez que as sondagens apontavam, até esta terça-feira, que seria a União Sionista a impedir o atual primeiro-ministro de atingir um quarto mandato. Aliás, às primeiras horas da madrugada de quarta-feira chegou a pensar-se que haveria um empate técnico entre as duas forças políticas (27 lugares para cada uma), o que forçaria a um bloco central.

Apesar da vitória, o Likud tem ainda que negociar com partidos mais pequenos para formar governo. Cerca das 8h30 locais (6h30 em Lisboa), Netanyahu emitiu um comunicado onde afirmava a sua intenção de que pretende iniciar negociações para uma coligação o mais rápido possível. “A realidade não fica à nossa espera. Os cidadãos de Israel esperam que rapidamente cheguemos a uma liderança que trabalhe pelo bem da segurança do país, da economia e da sociedade, tal como prometemos – e é isso que faremos”, disse o primeiro-ministro israelita, assim que soube que o Likud iria ganhar, citado pelo The Jerusalem Post.

Segundo este jornal, Netanyahu enviou convites aos líderes do Bayit Yehudi, do Kulanu, do Yisrael Beytenu e do Shas para iniciarem conversas com vista à formação de governo. Trata-se de partidos de direita, de inspiração nacionalista e/ou judaica. No entanto, não é improvável que a União Sionista venha também a ser consultada. Isaac Herzog, ao comentar a vitória de Netanyahu e ao parabenizá-lo, não quis rejeitar liminarmente a hipótese de a coligação de centro-esquerda que lidera entrar nas negociações. “Nada mudou, continuaremos a lutar por uma sociedade justa”, disse apenas.

Cautela na Casa Branca

Ainda as sondagens à boca das urnas davam um empate técnico entre os dois maiores partidos israelitas e já Benjamin Netanyahu se congratulava com aquilo que designou como “uma grande vitória”.

O entusiasmo do primeiro-ministro – que passou toda a noitetweetar – justifica-se de certa forma por a campanha eleitoral ter sido particularmente dura para o Likud e para si, que foi posto diretamente em causa durante todo o processo. Mas Netanyahu também disparou as armas que tinha e causou polémica junto da população muçulmana da Palestina e da comunidade internacional. Ainda na segunda-feira, na véspera das eleições, o líder israelita comentava que, enquanto fosse primeiro-ministro, um estado palestiniano seria uma miragem. Esta posição, que contraria a que manifestara em 2009, foi justificada por Netanyahu com o Islão radical que constitui uma ameaça para Israel.

Também com os Estados Unidos, parceiro histórico daquele país do Médio Oriente, as relações já foram melhores. A ida de Netanyahu ao Congresso americano, no início do mês, sem a concordância de Barack Obama, marcou um novo ponto alto da tensão entre os dois líderes. Ainda esta terça-feira o diretor do Instituto Português de Relações Internacionais e Segurança, Paulo Gorjão, comentava ao Observador que “nada de positivo” poderia acontecer nas relações entre os dois países.

Não facilitará a vida a Obama. A questão do Irão continua a ser uma questão muito complicada de gerir. Não auguro nada de positivo para a relação entre Israel e EUA se Netanyahu se mantiver no poder. Se ‘Bibi’ [Netanyahu] voltar a ganhar, vamos ter mais do mesmo, em relação a EUA, Palestina e no contexto do Médio Oriente”, disse.

Da Casa Branca, aliás, a primeira reação aos resultados eleitorais israelitas foi de cautela. Foi emitido um comunicado, logo ao início da noite, quando o desfecho ainda era incerto, onde se lia apenas que Obama está “empenhado em trabalhar proximamente com o vencedor das eleições”, acrescentando depois que o seu objetivo era “aprofundar a forte relação entre os Estados Unidos e Israel – e o presidente está confiante de que conseguirá fazer isso com quem quer que o povo israelita escolha”.

Apesar da esperança de Obama, o que parece certo é que o presidente americano teria preferido que não fosse Netanyahu a vencer as eleições, uma vez que, nos últimos tempos, a tensão entre os dois tem aumentado cada vez mais. “Ele [Netanyahu] sobreviveu ao canibalizar parte da direita e também ao tomar posições políticas que é provável que criem ainda mais fricção com Washington”, comenta David Makovsky, ex-membro da equipa de Obama para a resolução do conflito israelo-palestiniano, à Reuters.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)