A partir desta sexta-feira vai ser obrigatório dois tripulantes em simultâneo no cockpit das aeronaves. A regra aplica-se, no entanto, apenas às companhias com sede em Portugal, segundo o Governo. As outras deverão ser abrangidas por legislação semelhante que estará a ser tomada a nível europeu. Esta regra foi implementada nos Estados Unidos logo a seguir aos ataques do 11 de setembro.

No final da próxima semana são esperadas mais medidas de segurança, anunciou em conferência de imprensa o secretário de estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro, depois de o Governo ter pedido um parecer ao Instituto Nacional de Aviação Civil.

O parecer sobre atuais condições de segurança dos voos foi pedido depois das últimas conclusões relativamente ao Airbus A320 que caiu nos Alpes franceses, e que resultou na morte de 150 tripulantes e passageiros. Já se soube que foi o copiloto quem fez cair o avião, depois de se ter trancado no cockpit enquanto o piloto se ausentou por instantes.

Antes de o parecer estar concluído, no final da próxima semana, o Governo decidiu para já tomar uma medida de efeito imediato: obrigar as companhias com sede em Portugal a manterem sempre dois tripulantes no cockpit – onde já existe um sistema de segurança da porta que funciona por códigos. A regra aplica-se assim à  TAP, à Portugalia, SATA Air Açores, SATA Internacional, Euroatlantic Airways, White Airways e a Hi Fly.

De fora ficam todas aquelas que, apesar de operarem no País, estão sedeadas fora de Portugal. Como é o caso da Ryanair. A menos que haja legislação nos seus países. A Easyjet já anunciou ter tomado a mesma medida. “Esta tem sido uma discussão europeia e não é uma decisão política”, disse o secretário de estado.