As companhias aéreas alemãs vão deixar de ser obrigadas a ter permanentemente duas pessoas no cockpit dos aviões. A regra, que tinha sido introduzida depois de, em março de 2015, Andreas Lubitz ter feito cair um avião da Germangwings nos Alpes, com 150 pessoas a bordo, deixa de estar em vigor já a partir de 1 de junho, avança a Reuters.

A investigação ao suicídio-homicídio que Andreas Lubitz levou a cabo há dois anos revelou que o piloto da Germanwings se trancou no cockpit quando o outro piloto se levantou para ir à casa de banho. Foi nessa altura que despenhou o avião, tirando a vida a 150 pessoas.

Quem era Andreas Lubitz, o copiloto da GermanWings?

A conclusão da investigação levou a autoridade para a segurança na aviação europeia a implementar a regra que impunha a presença de duas pessoas permanentemente no cockpit, mas no ano passado essa decisão passou a estar nas mãos das companhias aéreas.

De acordo com a Reuters, as companhias aéreas alemãs concluíram que manter duas pessoas no cockpit não contribuía para que houvesse maior segurança a bordo. A Lufthansa – que é a maior companhia aérea alemã – já avançou que eliminou a regra em todas as suas subsidiárias, incluindo a Swiss, Austrian Airlines, Brussels Airlines e Eurowings.