O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) fez hoje um apelo para a obtenção de fundos extra de 34 milhões de dólares (32 milhões de euros) para fazer face à grave crise humanitária na Ucrânia.

“O frágil cessar-fogo acordado em fevereiro permitiu às equipas do CICV um conhecimento mais claro da situação nas zonas da frente. As necessidades dos deslocados, feridos, detidos e dos que tentam reconstruir as suas vidas são sérias”, informou o organismo em comunicado.

A verba extra solicitada destina-se a “melhorar a assistência aos que ficaram sem teto devido ao conflito e apoiar os serviços essenciais de saúde e a identificação dos mortos”.

Outra linha de ação definida é “alertar para os perigos dos artefactos de artilharia que não explodiram e ajudar os serviços de emergência a encarregar-se deles”.

“Embora os combates tenham diminuído, há feridos quase todos os dias e as condições de vida são muito difíceis para os civis que vivem na zona da frente e para todos os deslocados na região”, afirmou o chefe de operações do CICV para a Europa e Ásia Central, Laurent Corbaz.

Segundo o mais recente relatório da ONU, mais de 6.000 pessoas morreram no ano que passou desde o início do conflito na Ucrânia.