Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um em cada três pilotos não se revê nos fundamentos invocados pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) para a greve que está anunciada para os primeiros 10 dias de maio. “Estamos longe da unanimidade de outros tempos”, disse ao Diário de Notícias fonte próxima do processo, indicando que há vários pilotos que estão a avaliar a possibilidade de “deixar o SPAC” e formar uma nova organização.

Uma segunda fonte citada pelo jornal corroborou a ideia de que “já se ouve falar na hipótese de criação de um novo sindicato”, algo que é “normal, em períodos de greve, especialmente quando há resistência por parte de alguns elementos, surgirem movimentos desse género”. O presidente do sindicato, Manuel Santos Cardoso, garantiu, contudo, que se trata de “cisões imaginárias”.

O presidente da TAP, Fernando Pinto, tem promovido encontros com os pilotos para tentar que estes desmobilizem a greve. Em entrevista ao Jornal de Negócios, publicada na quarta-feira, o gestor alertou que este pré-aviso de greve “degrada a confiança dos clientes” na transportadora aérea.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR