A UNESCO classificou sete lugares no Nepal como património cultural da Humanidade, promovendo o património centenário do país que incluía muitos templos budistas e hindus e outros edifícios emblemáticos. Ficavam todos no vale de Katmandu e grande parte foi destruído no sismo de sábado, que já fez mais de 3 mil mortes, 6 mil feridos e centenas de desaparecidos.

“Perdemos quase todos os monumentos classificados como património mundial em Katmandu, Bhaktapur e Lalitpur. Nunca vão poder ser recuperados”, disse ao Kathmandu Post o historiador Prushottam Lochan Shrestha. Para além da dificuldade técnica de reconstruir monumentos literalmente demolidos, os custos são também muito elevados. Em Katmandu, 80% dos edifícios reconhecidos como património cultural foram completamente destruídos.

Três dos locais classificados eram as praças centrais, com os seus palácios e templos de Katmandu, Patan e Bhaktapur. Os restantes locais eram santuários religiosos – Swayambhu, Bauddhanath, Pashupati e Changu Narayan. Segundo a UNESCO, estes edifícios eram “representativas da tradição cultural e multiétnica das pessoas que se instalaram naquela parte remota do vale dos Himalaias nos últimos 2.000 anos”.