Rádio Observador

Pep Guardiola

“Una cagada” nunca vem só

103

Na época passada o Bayern perdeu 5-0 contra o Real Madrid nas "meias" da Champions. Agora sai da competição com um 5-3 imposto pelo Barça. Não é desta que Guardiola volta à final da Liga dos Campeões.

O Bayern de Munique foi eliminado pelo Barcelona e não é desta que Pep Guardiola volta à final da Liga dos Campeões. Mas isto ninguém lhe tira: chegou às meias-finais de todas as edições da prova em que participou (seis)

PATRIK STOLLARZ/AFP/Getty Images

Una cagada é uma porcaria. Do espanhol para o português, à letra, tintim por tintim, é isto que significa. Mas podia ser pior. Podia ser como o “desculpe, mas isso é uma merda” com que Pep torceu o nariz ao jornalista que atribuiu a Guardiola a reputação de ser o melhor treinador do mundo. Com ou sem um nariz torcido na cara do catalão, isso talvez até seja verdade. Pelo menos tanto quanto isto — pelo que se viu até agora, qualquer equipa em que Pep Guardiola toque está habilitada a ganhar canecos. Foi assim no Barça e assim o é no Bayern. O problema foi quando as duas se tiveram de cruzar.

Porque durante quatro anos Pep habituou a os catalães a ganharem tudo, dominando, e agora vai no segundo ano a tentar habituar os bávaros a fazerem o mesmo. No primeiro ano a coisa correu assim-assim, pois em Munique não chega ganhar tudo na Alemanha e, na Europa, chegar às meias-finais e perder 5-0 com um Real Madrid que viria a vencer a Liga dos Campeões. “Enganei-me. Enganei-me completamente. É uma grande cagada. A pior cagada que fiz como treinador“, lamentaria Guardiola, queixoso por ter posto toda a carne no assador e deixado Cristiano Ronaldo e companhia castigarem-no com livres e contra-ataques.

Essa foi a maior cagada, só que agora apareceu uma parecida. O sorteio foi matreiro. Quis ver um Barça que já gosta mais de passar a bola rápido para a frente do que lenta para os lados a jogar contra um Bayern que, com Guardiola, mete os jogadores juntinhos até ao meio campo para depois lhes soltar da trela e fazê-los acelerar até à baliza. Não correu bem para o lado de Pep, que no regresso a Barcelona apenas se aguentou até aos 77 minutos. Até Lionel Messi fazer das suas messizices, marcar dois golos, dar outro a marcar (3-0) e, pelo meio, fazer tombar Jérôme Boateng como um pinheiro. Correu tão mal que Franz Beckenbauer até tentou aproveitar o argentino para tirar moral aos que o rodeiam: “Sem Messi, o Barcelona seria apenas uma equipa banal.”

FBL-EUR-C1-GER-ESP-BAYERN-BARCELONA

Mas isso nem a um talvez podia chegar. Porque na segunda mão, mesmo com o Bayern a entrar a matar e, logo no arranque (7′), ver a cabeça do marroquino Mehdi Benatia a dar-lhe um 1-0, foram os que rodeavam Messi a mostrarem que não têm nada de banal nos pés. Muito menos Luis Suárez, o dentudo uruguaio que transformou duas bolas em assistências redondinhas para Neymar, o moleque brasileiro que marcou os dois golos do Barça. A cagada aparecia cedo — à meia hora de jogo os alemães de Guardiola já precisavam de rematar cinco bolas para dentro da baliza se quisessem chegar à final da Champions.

Não o conseguiram, mas ao menos diminuíram o tamanho da cagada. E devem um danke a Robert Lewandoski, o homem da máscara de ferro vindo da Polónia, e a Thomas Müller, o alemão que menos pinta de jogador tem, pois ambos marcaram golos de craque, com remates em jeito, dos bons. Ficou 3-2 (5-3 na eliminatória), o Bayern ganhou, mas foi o Barcelona a seguir caminho para a final da Liga dos Campeões, em Berlim, mesmo ali ao lado. E que cagada também já está a ser a relação de Pep Guardiola com a capital alemã — foi lá que, na época passada, venceu a Taça e conseguiu a vitória que lhe garantiu a conquista do campeonato, e é para lá que não irá esta temporada, porque perdeu nas “meias” da Taça da Alemanha e, agora, da Champions.

Mas as cagadas acontecem e ninguém pode ganhar sempre, mesmo que ganhe muito. E, neste caso, a cagada de Pep apareceu contra alguém que, de repente, lhe parece estar a seguir as pisadas. Sim, Luis Enrique, o ex-avançado de feitio difícil que chegou a coexistir com Guardiola no Barça, enquanto jogador, conseguiu, tal como ele, chegar à final da Champions na primeira época a treinar a equipa catalã (com o mesmo número de jogos feitos e tudo: 56). E isto já não é cagada. É obra.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)