Olá

833kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Quer conhecer o Zoo pelas palavras dos tratadores? Siga o mapa que criámos para si

Este artigo tem mais de 5 anos

Limpam instalações e distribuem alimento, mas o papel dos tratadores vai além disso. Reconhecem cada animal e estão atentos a alterações no comportamento ou no estado de saúde. Veja o que têm a dizer.

39 fotos

Quando os primeiros visitantes entram no Jardim Zoológico de Lisboa, já os tratadores fizeram uma boa parte das tarefas diárias. À hora da abertura das portas do Zoo, pelas 10 horas, já todas as instalações devem estar limpas, pelo menos na sua parte exterior. E os animais começam a sair.

Mas além dos espaços que os visitantes podem ver – com troncos, cordas, lagos e rochas -, também existem as instalações interiores que cumprem diversas funções. Podem servir para os animais passarem a noite ou como espaço de recolha de um animal que precise de ficar isolado. Também funcionam como local para distribuir o alimento individualmente, para controlar o que cada animal come, ou um espaço onde os veterinários conseguem tratar os animais mais facilmente.

Os cerca de 60 tratadores do Zoo, distribuídos por nove grupos, como carnívoros, grandes primatas ou répteis, têm de vigiar diariamente cerca de dois mil animais, pertencentes a perto de 300 espécies. Além de os alimentar e verificar que as instalações mantém as condições de segurança para animais e visitantes, os tratadores têm de estar atentos ao comportamento de cada indivíduo e do grupo e ao estado geral de saúde.

“O fundamental é não entrar na rotina”, diz Maria da Paz Pereira, tratadora dos Pequenos Primatas. “Temos de estar sempre olhos abertos.”

No dia em que o Zoo comemora o 131º aniversário, o Observador escolheu levá-lo numa visita guiada fora do vulgar. Siga um percurso à sua escolha no mapa que encontra em baixo. Em cada ponto poderá encontrar informação sobre os animais do Zoo nas palavras dos tratadores que convivem com eles diariamente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Verão 2024.  
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver ofertas Oferta limitada