O ministro das Finanças da República Checa, Andrej Babis, propôs este domingo que fosse feito um referendo não-vinculativo para avaliar a opinião da população sobre a adoção do euro, em vez da atual moeda – a coroa checa -, escreve o Wall Street Journal.

A proposta causou discórdia no gabinete do ministro, diz o mesmo jornal. O motivo: cerca de dois terços da população do país, que pertence à União Europeia, são contra a desistência da moeda nacional, de acordo com as últimas sondagens.

Depois de se ter reunido com o primeiro-ministro, com o governador do Banco Central e com o Presidente checo para discutir a posição da República Checa relativamente ao euro, Andrej Babis, propôs que a consulta popular fosse organizada em 2017, ano em que decorrerão também as eleições gerais na República Checa.

O objetivo do referendo seria “permitir que os cidadãos se pudessem expressar, como foi feito na Suécia”, afirmou o ministro das Finanças. Em 2003, os suecos rejeitaram a adoção do euro quando o tema foi a referendo.