Rádio Observador

Conflito na Ucrânia

Ucrânia: “Grande ofensiva” dos rebeldes

Os separatistas pró-russos do leste da Ucrânia lançaram esta quarta-feira, segundo Kiev, uma "grande ofensiva" contra as posições ucranianas, deixando antever uma nova escalada do conflito.

ANTONIO LACERDA/EPA

Os separatistas pró-russos do leste da Ucrânia lançaram esta quarta-feira, segundo Kiev, uma “grande ofensiva” contra as posições ucranianas, deixando antever uma nova escalada do conflito, apesar do cessar-fogo declarado em meados de fevereiro.

Trata-se do maior ataque denunciado por Kiev desde a retomada pelos rebeldes do nó ferroviário estratégico de Debaltseve, a meio caminho dos bastiões rebeldes de Donetsk e Lugansk, pouco após a entrada em vigor do cessar-fogo a 15 de fevereiro, na sequência dos acordos de paz de Minsk.

A zona em causa, em torno de Mariinka, situa-se a cerca de 20 quilómetros de Donetsk.

“Pelas 4h00 (2h00 em Lisboa), os terroristas russos, em violação dos acordos de Minsk, lançaram uma grande ofensiva sobre as posições ucranianas”, indicou o Estado-Maior do Exército ucraniano em comunicado.

“O inimigo enviou na direção de Mariinka mais de dez tanques e até 1.000 homens contra as forças ucranianas”, acrescentou a mesma fonte.

O Estado-Maior indicou ainda que os soldados ucranianos conseguiram, até agora, repelir o ataque.

Mas tiveram de recorrer “à artilharia que se encontrava antes numa zona afastada, em conformidade com os acordos de paz de Minsk”, admitiu.

As armas de calibre superior a 100 milímetros teriam de ser retiradas da linha da frente, nos termos desses acordos.

Segundo Viatcheslav Abroskin, chefe da polícia da região de Donetsk, leal a Kiev, os rebeldes, além dos tanques, recorreram igualmente a lança-rockets múltiplos Grad, que também deveriam ter sido afastados da linha da frente.

As autoridades separatistas negaram ter lançado uma ofensiva, mas confirmaram haver combates em curso perto de Mariinka.

“Um civil foi morto e quatro ficaram feridos em Donetsk”, precisou um representante da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD), Eduard Bassurin, citado pela agência de notícias francesa, AFP.

Por sua vez, o “ministro” da Defesa da RPD, Vladimir Kononov, deu conta de 15 mortos, segundo uma agência oficial separatista. Não foi até agora possível confirmar este número.

Do lado ucraniano, um representante do departamento da Saúde da região de Donetsk, Volodymyr Kolessnik, indicou um balanço de seis civis e 11 soldados feridos em Mariinka.

Devido aos tiroteios, todos os postos de controlo entre a zona controlada pelos rebeldes e o território sob controlo de Kiev foram encerrados à circulação, bloqueando centenas de veículos.

Estas informações fazem temer que os acordos de Minsk, que visavam pôr fim a uma crise que conduziu a um confronto sem precedentes desde a Guerra Fria entre a Rússia e o Ocidente, se tornem letra morta.

A guerra no leste da Ucrânia fez, até agora, mais de 6.400 mortos desde que eclodiu, em abril de 2014. Kiev e o Ocidente acusam o Kremlin de apoiar e armar os separatistas pró-russos, o que Moscovo nega categoricamente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)